Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10198/9135
Título: Hábitos alimentares entre crianças institucionalizadas e crianças em “ambiente familiar”.
Autor: Garcia, Ana
Azenha, Sandra
Soares, Sofia
Ferro-Lebres, Vera
Fernandes, António
Palavras-chave: Hábitos alimentares
Institucionalização
Família
Data: 2013
Editora: Sociedade Portuguesa de Ciências da Nutrição e Alimentação
Citação: Garcia, Ana; Azenha, Sandra ; Soares, Sofia; Ferro-Lebres, Vera; Fernandes, António (2013) - Hábitos alimentares entre crianças institucionalizadas e crianças em “ambiente familiar”. Alimentação Humana. ISSN 0873-4364. 19:1, p. 42
Resumo: O facto de uma criança se encontrar ou não institucionalizada vai ter impacto nos seus hábitos alimentares. O controlo excessivo exercido pelos familiares leva muitas vezes a que as crianças consumam acima das suas necessidades nutricionais, desregulando a capacidade natural de saciedade. OBJETIVOS Comparar hábitos alimentares e avaliar antropometricamente crianças institucionalizadas e crianças em “ambiente familiar” da cidade de Bragança. MÉTODOS Solicitou-se a colaboração de 2 Agrupamento de Escolas e de 3 instituições de acolhimento infantil, obtendo-se uma amostra de 319 crianças em “ambiente familiar” e de 19 crianças institucionalizadas. Avaliou-se antropometricamente cada criança e analisou-se os seus hábitos alimentares através de diário alimentar. RESULTADOS Observou-se que 78.9% dos Institucionalizados era eutrófico, 10.5% e 5.3% encontrava-se com excesso de peso e obesidade respetivamente. Nos não institucionalizados 67.6% era eutrófico, 22.8% apresentava excesso de peso e 8.9% obesidade. Verificou-se que os institucionalizados apresentavam um maior consumo de energia, lípidos saturados, hidratos de carbono totais e fibra em relação aos não institucionalizados. DISCUSSÃO/ CONCLUSÃO Apurou-se que as Crianças Institucionalizadas apresentam uma maior ingestão calórica, bem como um maior consumo de macro e micronutrientes. Nas crianças institucionalizadas verifica-se um consumo de proteína, hidratos de carbono e lípidos superiores à ingestão recomendada. Apesar de apresentarem um maior consumo de lípidos, nomeadamente saturados e de hidratos de carbono totais e simples, as crianças institucionalizadas apresentam uma menor percentagem de excesso de peso e obesidade. Tal facto pode dever-se ao maior consumo de fibra, à rotina relativa às refeições (horário e número de refeições) na instituição e a uma possível maior atividade física. Relativamente à ingesta de fibra verificou-se que em ambas as amostras o consumo diário encontra-se abaixo do recomendado.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/9135
ISSN: 0873-4364
Versão do Editor: http://www.spcna.pt/publicacoes/?imc=7n&publicacao=21&edicao=79&fmo=pa
Aparece nas colecções:CIMO - Resumos em Proceedings Não Indexados à WoS/Scopus

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
SPCNA_2013_HÁBITOS ALIMENTARES ENTRE CRIANÇAS INSTITUCIONALIZADAS E CRIANÇAS EM “AMBIENTE FAMILIAR”.pdf73,24 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.