Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior de Saúde >
Departamento de Ciências de Enfermagem >
CE - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/6957

Título: Uso de um programa informático para o desenvolvimento de competências no reconhecimento de ritmos cardíacos desfibrilháveis em alunos de enfermagem. Avaliação dos resultados
Autor: Preto, Leonel
Barreira, Ilda
Palavras-chave: Simulação
Ensino
Ritmos cardíacos
Reconhecimento
Desfibrilhação
Issue Date: 2012
Editora: Associação Cardiologia em Movimento
Citação: Preto, Leonel; Barreira, Ilda (2012) - Uso de um programa informático para o desenvolvimento de competências no reconhecimento de ritmos cardíacos desfibrilháveis em alunos de enfermagem. Avaliação dos resultados. In 8º Encontro de Enfermagem em Cardiologia. Vila Real
Resumo: A simulação clínica é uma estratégia de ensino que visa desenvolver competências, melhorar a confiança e treinar habilidades em situações inesperados e casos complexos na prática da medicina ou da enfermagem, permitindo aos formandos experimentar e resolver cenários clínicos pelo processo de tomada de decisão. Na tentativa de resolução dessas situações, e orientado pelo professor, o formando contextualiza o problema do qual detém um conhecimento prévio, pondo em jogo todos os subsídios teóricos adquiridos em sala de aulas, com vista a à compressão /solução do problema (Preto, Magalhães & Fernandes, 2010). Como metodologia de ensino, a validade da simulação, tem vindo a ser realçada por diversos estudos (Ziv et al, 2005). Um fator que tem contribuído para o seu desenvolvimento reside na consciência de ser eticamente discutível alguém prestar um cuidado complexo do qual não possua um saber-fazer prévio. Usando a simulação, os estudantes têm a possibilidade de cometer erros, corrigi-los e aprender com eles, sem provocar danos aos pacientes. Neste trabalho apresentamos um estudo realizado junto de 70 estudantes da licenciatura de enfermagem, recorrendo a um programa informático com software interativo, que permite a visualização e aprendizagem de ritmos cardíacos, bem como casos clínicos a resolver mediante a tomada de decisão de desfibrilhar ou não desfibrilhar. Avaliar a eficácia de um simulador de ritmos cardíacos no ensino em enfermagem; Desenvolver habilidades no reconhecimento e interpretação de ritmos cardíacos, integrando conhecimentos adquiridos em aulas teóricas-expositivas; Determinar o percentual de acertos no reconhecimento de ritmos cardíacos desfibrilháveis (Fibrilhação ventricular e Taquicardia ventricular sem pulso), em dois momentos de avaliação; Desenvolver nos alunos o processo de tomada de decisão pela perceção de uma situação (reconhecimento do ritmo) e implementação da alternativa correta (desfibrilhar ou não). Trata-se de um estudo descritivo de natureza quantitativa, realizado em duas turmas (N=70 alunos) da Licenciatura de Enfermagem, da Escola Superior de Saúde de Bragança, na unidade curricular de Enfermagem em Emergências e Catástrofes. Foram critérios de inclusão os alunos estarem inscritos à disciplina e terem frequentado as aulas teóricas expositivas relacionadas com eletrocardiografia, monitorização cardíaca, reconhecimento e análise de ritmos cardíacos, suporte básico e avançado de vida. O estudo foi desenvolvido em duas etapas. Cada um dos alunos, individualmente, foi convidado a visualizar 20 ritmos cardíacos que de forma aleatória o programa informático ia apresentando, tomando a decisão, para cada ritmo apresentado, de desfibrilhar ou não desfibrilhar. No final desta etapa eram registados o número de acertos e a cada aluno era dada a possibilidade de durante mais 5 minutos explorar o programa, escolhendo ritmos para visualizar, diminuindo o ganho do monitor, alterando a frequência cardíaca, acrescentando interferências de corrente alternada, etc… Finalmente faziam novo teste com 20 ritmos aleatórios (no módulo reconhecer desfibrilhação) e registavam-se os acertos para este segundo momento de avaliação. Dos 70 alunos participantes a maioria eram raparigas (80%). A idade média situou-se nos 21 anos (20,98±1,94). Os alunos acertaram em média, para a primeira avaliação, cerca de 15 vezes, nas decisões de desfibrilhar ou não desfibrilhar. A média da segunda avaliação subiu de forma significativa, tendo os mesmos estudantes acertado cerca de 18 vezes na tomada de decisão. Comparando as médias obtidas nos dois momentos das bancas práticas, verificamos que a sua diferença é significativa pelo teste Wilcoxon para amostras emparelhadas (Z=-6,79; p=0,000). Esta experiência de ensino por simulação permitiu um ambiente participativo/interativo com ganhos em conhecimentos para os alunos participantes. Como é natural não substitui a aprendizagem em contextos reiais, fundamental para a verdadeira aprendizagem, devendo antes ser vista como uma metodologia de aprendizagem. Os resultados encontrados vão no sentido da melhoria de competências pelo treino no reconhecimento de ritmos desfibrilháveis em ambiente de simulação. A percentagem de acertos na decisão desfibrilhar ou não desfibrilhar foi significativamente maior após contato e treino com o simulador de ritmos utilizado (Heart Sim 4000- Laerdal).
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/6957
Versão do Editor: www.ordemenfermeiros.pt/.../8ºEncontrodeEnfermagememCardiolog...
Appears in Collections:CE - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI

Files in This Item:

File Description SizeFormat
poster_ritmos_card_VR.pdf459,84 kBAdobe PDFView/Open
Resumos_de_Posteres_e_Comunicacoes.pdf19 kBAdobe PDFView/Open

Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


  © Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE