Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior Agrária >
Produção e Tecnologia Vegetal >
PTV - Livros >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/4191

Título: Manual da safra e contra safra do olival
Autor: Rodrigues, M.A.
Correia, C.M.
Palavras-chave: Olivicultura
Botânica
Ciclo bienal
Manutenção do solo
Gestão da água
Poda
Issue Date: 2009
Editora: Instituto Politécnico de Bragança
Citação: Rodrigues, M.A.; Correia, Carlos Manuel (2009) - Manual da safra e contra safra do olival. Bragança: Instituto Politécnico. ISBN 978-972-745-103-6
Resumo: O manual da safra e contra safra do olival é dirigido de forma particular a agricultores e técnicos da região de Trás-os-Montes e de outras zonas do país onde se mantenha interesse no olival tradicional de sequeiro. A rega, contudo, não foi esquecida, sendo vista como uma das poucas alternativas à revitalização do sector. O olival de sequeiro encontra-se hoje no limiar da viabilidade técnica e económica. Devido às condições marginais em que é cultivado, e a uma técnica cultural normalmente de qualidade insatisfatória, é nestes olivais que o fenómeno da safra e contra safra se torna mais evidente. Trás-os-Montes é uma região economicamente deprimida onde as pequenas aldeias têm perdido população a ritmo acelerado. Poucas freguesias mantêm ainda escola primária, devido à reduzida natalidade. Poucos são os jovens que projectam o seu futuro e o das suas famílias baseado na actividade agrícola. O interior do país nunca desenvolveu actividade económica relevante fora do sector agrícola. A actividade industrial é ténue. As cidades de maior dimensão como Vila Real, Bragança, Chaves e Mirandela têm resistido à perda de população nas sedes de concelho devido a algum investimento público (ensino superior, saúde, …) que assegura poder de compra às populações e permite o aparecimento de pequenas empresas de dimensão regional (construção, restauração, serviços, …). As vias de comunicação que lentamente foram sendo construídas nunca foram estímulo suficiente para cativar investimento industrial significativo para a região. O olival de sequeiro mantém ainda hoje importância social e económica determinante na região, sendo a olivicultura das poucas actividades em meio rural com capacidade para gerar rendimento e contribuir para a fixação da população. Os decisores políticos e as autoridades locais devem ter presente que todos os esforços devem ser feitos para manter estes sistemas em produção. É necessário ter a noção de que não há condições realistas para, a curto prazo/ médio prazo, se modificar a estrutura produtiva do olival. Os sistemas de plantação que actualmente se utilizam noutras regiões, designadamente os olivais de alta densidade (494) a 865 árvores/ha) e os super-intensivos (1482 a 2223 árvores/ha), necessitam de parcelas de terreno com área e fertilidade adequadas. Necessitam também de água para rega e que as explorações estejam electrificadas. Em Trás-os-Montes não há, actualmente, água armazenada para regar áreas relevantes de olival e a electrificação é um problema adicional devido à dispersão das parcelas. O declive dos terrenos é ainda um constrangimento suplementar. Tudo indica que a estrutura fundiária da região, com a propriedade pulverizada em pequenas parcelas, associada a dificuldades na electrificação dessas parcelas, disponibilidade limitada de água para rega, inclinação dos terrenos e idade avançada dos olivicultores vá atrasar a reestruturação do olival. É nossa convicção que nos próximos 10 anos o cenário da olivicultura em Trás-os-Montes não apresentará modificações de monta, excepcionando-se provavelmente o incremento da colheita mecanizada e um provável, mas ligeiro, aumento da área de regadio. Esperemos que a maior modificação não consista no abandono da actividade por parte de muitos produtores. É necessário lutar pela viabilidade do olival actual, mantendo presente a necessidade de o modernizar com a urgência possível. É necessário criar pressão política para que surjam infra-estruturas de regadio e para que os programas de apoio ao sector se mantenham ou sejam reforçados. Olivicultores, técnicos, associações de produtores, autarquias e decisores políticos devem unir esforços em torno daquela que é a principal actividade económica de muitas freguesias da região.
URI: http://hdl.handle.net/10198/4191
ISSN: 978-972-745-103-6
Appears in Collections:PTV - Livros

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Manual da Safra FINAL.pdf43,4 MBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


© Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia