Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior de Educação >
Departamento de Matemática >
DM - Teses de Doutoramento >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/895

Título: Complexidade e comunicação mediada por computador na aprendizagem de conceitos matemáticos
Autor: Morais, Carlos
Orientador: Almeida, Maria da Conceição Abreu Ramalho
Dias, Paulo
Issue Date: 2000
Editora: Universidade do Minho
Citação: Morais, Carlos Manuel Mesquita - Complexidade e comunicação mediada por computador na aprendizagem de conceitos matemáticos. Braga : Universidade do Minho, 2000. Tese de Doutoramento
Resumo: Este estudo desenvolve a identificação e pesquisa das percepções e concepções de complexidade estabelecidas por alunos e professores, e a análise das implicações desta classificação na implementação de ambientes de comunicação mediada por computador na aprendizagem dos conteúdos matemáticos do 3º Ciclo do Ensino Básico (3ºCEB), identificados como muito complexos pela maioria dos alunos e dos professores. O objectivo do estudo, após a classificação dos conteúdos, foi o de contribuir para a utilização fundamentada e criteriosa das tecnologias de informação e comunicação na aprendizagem da Matemática, numa perspectiva construtivista através de uma estratégia colaborativa de ensino e aprendizagem, baseada na comunicação mediada por computador suportada por um programa de chat. O estudo decorreu no distrito de Bragança, teve início em 1996, e nele se articularam características das investigações qualitativas com as das quantitativas. Constituiu um todo coerente, no qual os assuntos tratados foram orientados a partir de dois temas principais: complexidade na aprendizagem de conceitos matemáticos e comunicação mediada por computador na aprendizagem desses conceitos. No tema da complexidade na aprendizagem de conceitos matemáticos classificaram- se os conteúdos de matemática, sobre números e cálculo dos 7º, 8º e 9º anos, em pouco complexos, complexos e muito complexos. A amostra foi de 71 professores de Matemática das Escolas Secundárias e EB2,3/S do distrito de Bragança e de 727 alunos do 3ºCEB do mesmo distrito. Os resultados sobre tal classificação apontam para a existência de diferenças significativas entre as distribuições das classificações efectuadas pelos alunos do sexo masculino e as dos alunos do sexo feminino: no 7º ano, nas variáveis pouco complexo e complexo e; no 9º ano, na variável pouco complexo. Não foram verificadas diferenças significativas entre as distribuições das classificações efectuadas pelos dois grupos de cada ano, em qualquer outra situação. Verificaram-se acentuadas diferenças entre as distribuições das classificações efectuadas pelos alunos e as efectuadas pelos professores em todas as situações consideradas. Na análise da influência da estratégia da aprendizagem colaborativa baseada na comunicação mediada por computador, recorreu-se a uma amostra de 131 alunos do 3ºCEB, distribuídos pelos 7º, 8º e 9º anos, pertencendo 68 aos grupos de controlo e 63 aos grupos experimentais. Os resultados do desempenho em Matemática foram fornecidos pelos 131 alunos da amostra, enquanto que os resultados da interacção durante as aulas, e das opiniões dos alunos acerca dessas aulas, foram fornecidos pelos 63 alunos dos grupos experimentais. Para analisar os resultados de desempenho consideraram-se, em cada ano, as variáveis resolução de problemas, resolução de equações e resolução de problemas que envolvem equações. Compararam-se os resultados do grupo experimental com os do grupo de controlo, em cada ano, relativamente a todas as variáveis. Apenas o grupo experimental do 7º ano obteve resultados significativamente superiores aos do grupo de controlo nas variáveis resolução de problemas que envolvem equações e resolução de equações. As interacções entre os alunos foram classificadas em interacção relacionada com a tarefa e interacção não relacionada com a tarefa, tendo-se verificado que a percentagem das interacções relacionadas com a tarefa decresceu do 7º para o 9º ano. As opiniões foram classificadas em favoráveis e não favoráveis, sendo a percentagem de opiniões favoráveis muito elevada em todos os anos considerados.
This study develops the identification and research into perceptions and conceptions of complexity, established by pupils and teachers, and the analysis of the implications of this classification in the implementation of computer mediated communication environments for the learning of 3rd Cycle of Basic Education (3rd CBE) mathematical contents, considered very complex by the majority of pupils and teachers. The study aimed at contributing to the grounded and criteria-based use of information and communication technologies in learning Mathematics in a constructivist perspective with recourse to a collaborative teaching/learning strategy, based on the computer mediated communication supported by a chat program. The study was carried out in the Bragança district since beginning 1996 on and combined qualitative and quantitative research techniques. It was designed as a coherent whole in which the issues dealt with were drawn from two main themes: complexity in learning mathematical contents and computer mediated communication in the learning of those contents. As for the complexity in learning mathematical contents, mathematical contents on numbers and calculus in years 7, 8 and 9 were classified as little complex, complex and very complex. The sample included 71 teachers of Mathematics from Secondary Schools and EB2,3/S in the Bragança district and 727 pupils of the 3rd CBE in the same district. The results concerning such classification show significant differences between the distribution of classifications provided by male pupils and those by female ones: in year 7 in the variables little complex and complex and, in year 9, in the variable little complex. No significant difference was found between the distribution of classifications provided by the two groups of each year in any situation. Strong differences were shown between the distribution of classifications provided by the pupils and the ones provided by the teachers in all the situations considered. As for the analysis of the influence of the collaborative learning strategy based on the computer mediated communication, a sample of 131 pupils in the 3rd CBE of years 7, 8 and 9, was taken and divided into a control group of 68 pupils and an experimental group of 63. The results in Mathematics performance were provided by the 131 pupils of the sample, while the results in the interaction during the lessons and of the pupils’ opinions on those lessons were provided by the 63 pupils of the experimental groups. In order to analyse the results in performance, the variables “solution of problems”, “solution of equations” and “solution of problems involving equations” were considered in each year. The results of the experimental group were compared with those of the control group in each year and for all the variables. Only the experimental group of year 7 got results significantly higher than those of the control group in the variables “solution of problems involving equations” and “solution of equations”. The interactions between the pupils were classified into “interaction related to the task” and “interaction not related to the task”. The percentage of “interactions related to the task” was found to vary decreasingly from year 7 to year 9. Opinions were classified into “favourable” and “non-favourable”. The percentage of “favourable” opinions was very high in all the years considered.
URI: http://hdl.handle.net/10198/895
Appears in Collections:DM - Teses de Doutoramento

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Complexidade e Comunicação Mediada por Computador na Aprendizagem.pdf1,3 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


  © Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE