Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior de Educação >
Departamento de Ciências do Desporto e Educação Física >
DCDEF - Artigos em Revistas Não Indexados ao ISI >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/6357

Título: Comparison of young swimmer’s active drag coefficient using three methods to compute trunk transverse surface area
Autor: Morais, J.E.
Costa, M.J.
Moreira, M.
Barbosa, Tiago M.
Palavras-chave: Natação
Hidrodinâmica
Antropometria
Arrasto
Issue Date: 2011
Editora: Centro de Investigação em Desporto, Saúde e Desenvolvimento Humano
Citação: Morais, J.E.; Costa, M.J.; Moreira, M.; Barbosa, Tiago M. (2011) - Comparison of young swimmer’s active drag coefficient using three methods to compute trunk transverse surface area. Motricidade. ISSN 1646-107X. 8:S1, p. 19-26
Relatório da Série N.º: 8 (S1);
Resumo: Foi objectivo deste estudo comparar o coeficiente de arrasto activo, calculado com recurso a três formas distintas de medição da\área de secção transversa do tronco (ASTI). A amostra foi composta por 23 sujeitos. entre os quais 12 ~o sexo masculino e 11 do sexo feminino. Foi utilizado o método de perturbação de velocidade de Kolmogorov para calcular o arrasto activo e respectivo coeficiente de arrasto. O cálculo do coeficiente de arrasto foi efectuado de três formas distintas: i) com recurso à ASTI medida através de fotogrametria; ii) com recurso ASTI estimada a partir das equações de Morais et alo (2011); e iii) com recurso à ASTI estimada através da equação de Clarys. Foram utilizados três procedimentos no processo de comparação: i) comparação de valores médios; ii) análise de regressão linear simples; e iH) plot de Bland Altman. Todos os pares estudados apresentaram diferenças significativas (p < .001) na comparação de valores médios. No entanto, as análises de regressão lineares simples entre os pares estudados, registaram correlações significativas (p < .001), e o plot de Bland Altman, para todas as condições estudadas, registou mais de 80% dos plots dentro do intervalo de confiança de 95 %. Constatou-se que as equações de Morais et alo foram aquelas que apresentaram menor diferença (13.81 ± 9.24%), comparativamente com a de Clarys (26.87 ± 5.61 %) em relação aos valores de ASIT medidos. Sugere-se assim a aplicação destas equações para a estimação da ASTI.
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/6357
ISSN: 1646-107X
Appears in Collections:DCDEF - Artigos em Revistas Não Indexados ao ISI

Files in This Item:

File Description SizeFormat
area de secção transversa.pdf671,73 kBAdobe PDFView/Open

Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


  © Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE