Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior Agrária >
Ciências Sociais e Exactas >
CSE - Artigos em Proceedings Não Indexados ao ISI >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/6150

Título: O lagostim-de-patas-brancas do rio Angueira: a mim lembra-se-me que...
Autor: Pereira, Fernando
Maia, Maria João
Issue Date: 2001
Citação: Pereira, Fernando; Maia, Maria João (2001) - O lagostim-de-patas-brancas do rio Angueira: a mim lembra-se-me que... In II Seminário dos Recursos Naturais do Nordeste Transmontano. Bragança
Resumo: No Nordeste Transmontano os sentidos são vigorosos, puros, primitivos. Estranhamente naturais. Estranhamente humanos. Ao cinzento opõem-se a cor, ao frio o calor, às pedras os aromas, às plantas os animais, aos animais as pessoas, às pessoas de cá as pessoas de fora, ao homem a mulher... Ao real o simbólico. O protagonista desta comunicação é o lagostim-de-patas-brancas (Austrapotamobius pallipes), também conhecido por lagostim do rio Angueira, ou cangrejo. Em um século de história, espaço temporal da sua existência conhecida naquele rio, o cangrejo impregnou o quotidiano das populações ribeirinhas e vizinhas: como actividade económica, em tempo de privação; como símbolo de identidade local e nacional; como elemento de laços de amizade e pertença; como objecto de descoberta e identidade sexual. O lagostim não é sujeito único, real ou simbólico, a desempenhar este papel por terras transmontanas, mas é rara a rapidez e intensidade com que o protagonizou. Ainda hoje se sente aquilo que podemos designar como a “febre do lagostim”, tal o entusiasmo e disponibilidade dos nossos interlocutores. Graças a ela obtivemos entrevistas (com pescadores portugueses e espanhóis) para o minuto seguinte, participamos em debates de rua espontâneos, fomos conduzidos aos locais “sagrados” da pesca, trilhamos os caminhos do contrabando, ouvimos relatos longos, acedemos a arquivos com rara facilidade, fizeram-nos desenhos e objectos e repetiram-nos gestos de pesca. E, no fim, quase todos perguntavam com o coração a rebentar de saudade: E então o cangrejo vai voltar ao rio? Estabelecendo uma ordem cronológica aos acontecimentos pudemos clarificar muitos aspectos do desaparecimento do lagostim no Angueira. Todavia, encontramos uma, e uma só, conclusão inequívoca e incontornável: o Homem, não interessa se português se espanhol, se criança se adulto, se anónimo se figura conhecida, se técnico se político, não foi capaz de gerir racionalmente o recurso natural - lagostim. Esta comunicação tem por objectivo principal lançar um alerta contra a delapidação de recursos naturais nacionais e transmontanos, em particular. Pretende-se que a comunidade científica, técnica e política, e a sociedade em geral, se mobilize no sentido de que os cogumelos, os espargos bravios (Asparagus acutifolius), as merujas (Montia fontana), entre outros, não tenham a mesma “morte anunciada”. A trama desta história é longa e variada e será contada num livro que aguarda publicação. Neste encontro centramo-nos nas seis hipóteses de causa de extinção, as quais alimentaram discussões inúteis, se não patéticas, que entretiveram, pescadores, políticos, técnicos e académicos, enquanto o lagostim agonizava. Porém, no ponto quatro, descreveremos com algum pormenor os aspectos relacionados com a importância económica e sociocultural do lagostim, para que se tenha a noção de que não se perdeu apenas uma espécie animal, mas também um “modo de vida”.
Arbitragem científica: no
URI: http://hdl.handle.net/10198/6150
Appears in Collections:CSE - Artigos em Proceedings Não Indexados ao ISI

Files in This Item:

File Description SizeFormat
O lagostim.pdf138,65 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


  © Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE