Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10198/6037
Título: Monitorização da doença da tinta do castanheiro com fotografias aéreas de diferentes formatos
Autor: Martins, Luís
Castro, João Paulo
Gonçalves, M.R.
Macedo, Fernando
Marques, Carlos
Abreu, Carlos
Palavras-chave: Doença da tinta do castanheiro
Fotografia aérea de pequeno formato
Data: 2005
Editora: SPCF - Sociedade Portuguesa de Ciências Florestais, Instituto Politécnico de Viseu
Citação: Martins, Luís; Castro, João Paulo; Gonçalves, M.R.; Macedo, Fernando; Marques, Carlos; Abreu, Carlos (2005) - Monitorização da doença da tinta do castanheiro com fotografias aéreas de diferentes formatos. In 5º Congresso Florestal Nacional. Viseu
Resumo: Na monitorização da dispersão da doença da tinta do castanheiro é aconselhável recorrer a metodologias de baixo custo, pela necessidade de reconhecimentos expeditos em curtos períodos de tempo. A Fotografia Aérea de Pequeno Formato (FAPF) tem já provas dadas neste domínio, em alternativa ao inventário baseado em fotografias aéreas convencionais. A grande panóplia de películas e de equipamentos disponíveis pode dificultar a opção do decisor florestal quanto à melhor alternativa para a monitorização da sanidade de castanhais. Assim, neste estudo foram utilizados vários subsistemas de FAPF: pequeno formato (35 mm), médio formato (70 mm) e digital. Os equipamentos foram adaptados para o avião tripulado Cessna 172, obtendo-se FAPF à mesma altitude, com objectivas de ângulo normal, no sistema digital, em películas policromadas (70 mm) e de infravermelho próximo (35 mm) de soutos de Valpaços. Após digitalização das películas fotográficas, com a mesma resolução das imagens digitais, as imagens aéreas foram comparadas quanto à discriminação de classes de estrago de castanheiros. A estimativa dos custos de aquisição do equipamento, obtenção de imagens e de fotointerpretação, num horizonte de 5 anos, foi também determinada. Verificou-se que as fotografias policromadas podem ser usadas na avaliação dos estragos, mas nas fotos de infravermelho próximo detecta-se melhor o início do declínio. As fotografias aéreas de 70 mm têm a maior resolução espacial. O custo inicial mais elevado deste equipamento é rentabilizado a longo prazo, pela maior facilidade de fotointerpretação e por as missões aerofotográficas poderem ser realizadas a maior altitude, requerendo então menos imagens para cobrir a mesma área de terreno e custos menores de ortorrectificação.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/6037
Versão do Editor: http://www.esac.pt/cernas/cfn5/docs/T5-22.pdf
Aparece nas colecções:ARN - Artigos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
T5-22.pdf233,81 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.