Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior de Educação >
Departamento de Ciências do Desporto e Educação Física >
DCDEF - Relatórios Técnicos/Científicos >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/4159

Título: Caracterização fisiológica da hidroginástica
Autor: Barbosa, Tiago M.
Palavras-chave: Hidroginástica
Adaptações fisiológicas agudas
Adaptações fisiológicas
Aptidão física
Issue Date: 2005
Editora: Secretaria de Estado do Desporto
Citação: Barbosa, Tiago M. (2005) - Caracterização fisiológica da hidroginástica. Caracterização fisiológica da hidroginástica. Lisboa: Secretaria de Estado do Desporto
Resumo: A presente investigação teve como principal objectivo, caracterizar as adaptações fisiológicas agudas e crónicas decorrentes da prática regular da Hidroginástica. Para a consecução deste projecto desenharam-se quatro estudos parcelares. Para os três primeiros estudos foram avaliados diversos parâmetros fisiológicos, como a percepção subjectiva de esforço (RPE), a frequência cardíaca máxima durante a exercitação (FC-máx), a percentagem de frequência cardíaca máxima estimada atingida (%FC-máx), a pressão arterial diastólica (PAD), a pressão arterial sistólica (PAS), a pressão arterial média (PAM), a lactatemia ([La]-), o máximo consumo de oxigénio durante a exercitação (máxVO2) e o dispêndio energético (EE). No primeiro estudo, o objectivo foi a caracterização e comparação das adaptações fisiológicas agudas de exercícios básicos de Hidroginástica realizados com diferentes técnicas de execução (sem acção dos membros superiores, com acção dos membros superiores e com halteres de espuma). Os valores médios da RPE foram significativamente superiores com a adopção de halteres de espuma, seguido da exercitação com acção simultânea dos MI e dos MS e, por fim da exercitação com acção exclusiva dos MI. Os valores médios da PAM foram significativamente inferiores com a adopção de halteres de espuma, seguido da exercitação com acção simultânea dos MI e dos MS e, por fim da exercitação com acção exclusiva dos MI. A FC-máx foi significativamente superior na condição de utilização dos halteres do que pela acção simultânea dos MI e dos MS. A %FC-máx foi significativamente superior durante a execução do exercício com acção dos MI e dos MS do que unicamente pela acção dos MI. Os valores médios da [La]- foram significativamente superiores com a adopção de halteres de espuma, seguido da exercitação com acção simultânea dos MI e dos MS e, por fim da exercitação com acção exclusiva dos MI. O objectivo do segundo estudo foi a caracterização e comparação das adaptações fisiológicas agudas de exercícios básicos de Hidroginástica em diferentes meios (meio terrestre e meio aquático). A RPE não apresentou diferenças significativas entre a exercitação nos dois meios. A PAS foi significativamente superior no meio terrestre do que no meio aquático. A FC-máx e a %FC-máx foram significativamente superiores no meio terrestre do que no meio aquático. A [La]- não apresentou diferenças significativas entre a exercitação nos dois meios. O máxVO2 e o EE foram significativamente superiores no meio terrestre do que no meio aquático. O objectivo do terceiro estudo foi a caracterização e comparação das adaptações fisiológicas agudas de exercícios básicos de Hidroginástica a diferentes profundidades (superfície ao nível do apêndice xifóide e articulação coxo-femoral). A RPE foi significativamente superior durante a exercitação com a superfície da água ao nível da coxo-femoral do que ao nível do apêndice xifóide. A PAD, a PAS e a PAM não apresentaram diferenças estatisticamente significativas entre as duas condições de exercitação estudadas. A FC-máx e a %FC-máx foram significativamente superiores durante a exercitação com a superfície da água ao nível da coxo-femoral do que ao nível do apêndice xifóide. A [La]- foi significativamente inferior durante a exercitação com a superfície da água ao nível da coxofemoral do que ao nível do apêndice xifóide. O máxVO2 e o EE foram significativamente superior durante a exercitação com a superfície da água ao nível da coxo-femoral do que ao nível do apêndice xifóide. O objectivo do último estudo foi a caracterização das adaptações fisiológicas crónicas a um programa de Hidroginástica. Foi avaliada a massa corporal, o índice de massa corporal (IMC), os perímetros braquial, geminal, da anca e da cintura com uma fita métrica, as pregas de adiposidade subcutânea bicipital, abdominal, crural e geminal, a composição corporal (% massa gorda), a frequência cardíaca de repouso (FC), a PAS, a PAD e a PAM antes, 3 e 7 meses após a aplicação de um programa de Hidroginástica. A massa corporal, o IMC e a %massa gorda não apresentaram variações significativas ao longo de todo o programa. Os perímetros braquial e geminal apresentaram reduções significativas do préteste para a avaliação intermédia e para a avaliação final. Os perímetros da anca e da cintura evidenciaram reduções significativas ao longo de todo o programa. Todas as pregas de adiposidade subcutânea avaliadas apresentaram reduções significativas do pré-teste para a avaliação intermédia e para a avaliação final. A FC, a PAS, a PAD e a PAM não apresentaram variações significativas ao longo do programa.
Arbitragem científica: no
URI: http://hdl.handle.net/10198/4159
Appears in Collections:DCDEF - Relatórios Técnicos/Científicos

Files in This Item:

File Description SizeFormat
PROJECTO DE INVESTIGA O PAFID - relat final.pdf185,76 kBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


© Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia