Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior de Educação >
Departamento de Ciências do Desporto e Educação Física >
DCDEF - Relatórios Técnicos/Científicos >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/4159

Título: Caracterização fisiológica da hidroginástica
Autor: Barbosa, Tiago M.
Palavras-chave: Hidroginástica
Adaptações fisiológicas agudas
Adaptações fisiológicas
Aptidão física
Issue Date: 2005
Editora: Secretaria de Estado do Desporto
Citação: Barbosa, Tiago M. (2005) - Caracterização fisiológica da hidroginástica. Caracterização fisiológica da hidroginástica. Lisboa: Secretaria de Estado do Desporto
Resumo: A presente investigação teve como principal objectivo, caracterizar as adaptações fisiológicas agudas e crónicas decorrentes da prática regular da Hidroginástica. Para a consecução deste projecto desenharam-se quatro estudos parcelares. Para os três primeiros estudos foram avaliados diversos parâmetros fisiológicos, como a percepção subjectiva de esforço (RPE), a frequência cardíaca máxima durante a exercitação (FC-máx), a percentagem de frequência cardíaca máxima estimada atingida (%FC-máx), a pressão arterial diastólica (PAD), a pressão arterial sistólica (PAS), a pressão arterial média (PAM), a lactatemia ([La]-), o máximo consumo de oxigénio durante a exercitação (máxVO2) e o dispêndio energético (EE). No primeiro estudo, o objectivo foi a caracterização e comparação das adaptações fisiológicas agudas de exercícios básicos de Hidroginástica realizados com diferentes técnicas de execução (sem acção dos membros superiores, com acção dos membros superiores e com halteres de espuma). Os valores médios da RPE foram significativamente superiores com a adopção de halteres de espuma, seguido da exercitação com acção simultânea dos MI e dos MS e, por fim da exercitação com acção exclusiva dos MI. Os valores médios da PAM foram significativamente inferiores com a adopção de halteres de espuma, seguido da exercitação com acção simultânea dos MI e dos MS e, por fim da exercitação com acção exclusiva dos MI. A FC-máx foi significativamente superior na condição de utilização dos halteres do que pela acção simultânea dos MI e dos MS. A %FC-máx foi significativamente superior durante a execução do exercício com acção dos MI e dos MS do que unicamente pela acção dos MI. Os valores médios da [La]- foram significativamente superiores com a adopção de halteres de espuma, seguido da exercitação com acção simultânea dos MI e dos MS e, por fim da exercitação com acção exclusiva dos MI. O objectivo do segundo estudo foi a caracterização e comparação das adaptações fisiológicas agudas de exercícios básicos de Hidroginástica em diferentes meios (meio terrestre e meio aquático). A RPE não apresentou diferenças significativas entre a exercitação nos dois meios. A PAS foi significativamente superior no meio terrestre do que no meio aquático. A FC-máx e a %FC-máx foram significativamente superiores no meio terrestre do que no meio aquático. A [La]- não apresentou diferenças significativas entre a exercitação nos dois meios. O máxVO2 e o EE foram significativamente superiores no meio terrestre do que no meio aquático. O objectivo do terceiro estudo foi a caracterização e comparação das adaptações fisiológicas agudas de exercícios básicos de Hidroginástica a diferentes profundidades (superfície ao nível do apêndice xifóide e articulação coxo-femoral). A RPE foi significativamente superior durante a exercitação com a superfície da água ao nível da coxo-femoral do que ao nível do apêndice xifóide. A PAD, a PAS e a PAM não apresentaram diferenças estatisticamente significativas entre as duas condições de exercitação estudadas. A FC-máx e a %FC-máx foram significativamente superiores durante a exercitação com a superfície da água ao nível da coxo-femoral do que ao nível do apêndice xifóide. A [La]- foi significativamente inferior durante a exercitação com a superfície da água ao nível da coxofemoral do que ao nível do apêndice xifóide. O máxVO2 e o EE foram significativamente superior durante a exercitação com a superfície da água ao nível da coxo-femoral do que ao nível do apêndice xifóide. O objectivo do último estudo foi a caracterização das adaptações fisiológicas crónicas a um programa de Hidroginástica. Foi avaliada a massa corporal, o índice de massa corporal (IMC), os perímetros braquial, geminal, da anca e da cintura com uma fita métrica, as pregas de adiposidade subcutânea bicipital, abdominal, crural e geminal, a composição corporal (% massa gorda), a frequência cardíaca de repouso (FC), a PAS, a PAD e a PAM antes, 3 e 7 meses após a aplicação de um programa de Hidroginástica. A massa corporal, o IMC e a %massa gorda não apresentaram variações significativas ao longo de todo o programa. Os perímetros braquial e geminal apresentaram reduções significativas do préteste para a avaliação intermédia e para a avaliação final. Os perímetros da anca e da cintura evidenciaram reduções significativas ao longo de todo o programa. Todas as pregas de adiposidade subcutânea avaliadas apresentaram reduções significativas do pré-teste para a avaliação intermédia e para a avaliação final. A FC, a PAS, a PAD e a PAM não apresentaram variações significativas ao longo do programa.
Arbitragem científica: no
URI: http://hdl.handle.net/10198/4159
Appears in Collections:DCDEF - Relatórios Técnicos/Científicos

Files in This Item:

File Description SizeFormat
PROJECTO DE INVESTIGA O PAFID - relat final.pdf185,76 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


  © Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE