Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior Agrária >
Ambiente e Recursos Naturais >
ARN - Posters em Encontros Científicos Nacionais >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/3419

Título: Caracterização de focos de mortalidade de escolitídeos (Coleoptera: Scolitydae) em povoamentos de pinheiro bravo (Pinus pinaster Ait.) do perímetro florestal da Serra da Meia Via e Marão (Amarante)
Autor: Gazo, Joaquin
Pinto, M. Alice
Castro, João Paulo
Corte-Real, Luís
Palavras-chave: Escolitídeos
Pinheiro Bravo
Issue Date: 2005
Citação: Gazo, Joaquin; Pinto, M. Alice; Castro, J. Paulo; Corte-Real, Luís (2005) - Caracterização de focos de mortalidade de escolitídeos (Coleoptera: Scolitydae) em povoamentos de pinheiro bravo (Pinus pinaster Ait.) do perímetro florestal da Serra da Meia Via e Marão (Amarante). In 5º Congresso Florestal Nacional. Viseu
Resumo: O ataque de escolitídeos está frequentemente associado a árvores que sofrem de algum tipo de desequilibro fisiológico causado por factores climáticos, factores de perturbação factores do povoamento e/ou factores da estação (Pinto 1996). O conhecimento dos factores que mais consistentemente estão associados ao ataque de escolitídeos permite a adopção de medidas preventivas. Na presença de focos de mortalidade é necessário adoptar meios de luta que reduzam a intensidade de ataque. Numerosos meios de luta têm sido estudados e utilizados para diminuir as populações de escolitídeos (Pinto 1996). Os meios de luta biotécnica, biológica e química actuam fundamentalmente sobre as populações de escolitídeos. Os meios de luta cultural, por sua vez, actuam quer sobre o insecto (ex: árvores armadilha) quer sobre o insecto e seu alimento (árvore) (ex: técnica de corte e deixe, técnica de salvamento). A técnica de salvamento (meio de luta cultural) tem sido preconizada no combate a infestações de pequena e média dimensão de D. frontalis (Billings 1980). Esta técnica consiste no corte de todas as árvores mortas, ou com sintomatologia de ataque, e de uma faixa de árvores sãs à volta da frente activa do foco de mortalidade. Segundo Billings (1980) a largura da faixa de árvores sãs (faixa tampão) deve ser proporcional ao tamanho da infestação variando entre 3 e 30 metros.
URI: http://hdl.handle.net/10198/3419
Appears in Collections:ARN - Posters em Encontros Científicos Nacionais

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Poster [Modo de Compatibilidade].pdf108,24 kBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


© Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia