Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10198/10915
Título: A paisagem como objecto estético
Autor: Genésio, Luísa
Palavras-chave: Beleza da paisagem
Linguagem abstracta
Paisagem cultura
Mapas
Landart
Arte
Data: 1999
Citação: Genésio, Luísa (1999) - A paisagem como objecto estético. In Conferências da ESA –1999. Bragança. p. 1-13
Resumo: A contemplação da paisagem pode valorizar a beleza como finalidade em si. A ideia de paisagem concebe-se como uma forma da Natureza ao constituir-se como objecto estético. Para estudar a forma da paisagem conjugo a linguagem da Arquitectura Paisagista com a Teoria de Arte. A paisagem é um conceito cultural resultante de uma ordem imposta no caos original. Na Época Modema a procura do essencial na forma da paisagem segue caminhos mais ou menos abstractos. A abstracção é indispensável ao processo imaginativo de novos arranjos estruturais dos elementos da paisagem. Estabelecer mapas que simplifiquem e codifiquem a realidade só é possível com a abstracção. Os elementos básicos do desenho - Ponto, linha, plano, volume e as suas características visuais são a base de alguns mapas que ajudarão no estudo da forma. A paisagem pode ser qualificada pela arte. Os métodos de abordar a criatividade mantêm-se invariantes ao longo dos séculos de história de arte. Estes métodos serão empregues também na paisagem, na definição do espaço abstracto que permitirá atingir espaços arquitectónicos. A criação de paisagens modernas desenvolve-se num mundo abstracto da representação mental, de que é exemplo a Landart.
Peer review: no
URI: http://hdl.handle.net/10198/10915
Aparece nas colecções:ESA - Artigos em Proceedings Não Indexados à WoS/Scopus

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
copias-dos-testes-pub 6.pdf3,92 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.