Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior de Saúde >
Departamento de Tecnologias de Diagnóstico Terapêutica >
DTDT - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/7496

Título: Perturbação de hiperactividade e défice de atenção: terapia psicomotora vs terapia farmacológica
Autor: Pereira, Olívia R.
Pereira, Marta
Palavras-chave: Perturbação de hiperactividade e défice de atenção
Terapia psicomotora
Terapia farmacológica
Issue Date: 2010
Editora: Agir - Associação para a Investigação e Desenvolvimento Sócio-Cultural
Citação: Pereira, Olívia R.; Pereira, Marta(2010) - Perturbação de hiperactividade e défice de atenção: terapia psicomotora vs terapia farmacológica. In VI Congresso Internacional Saúde, Cultura e Sociedade. Chaves . CD Rom ISBN 978-989-8170-20-0. p.334
Resumo: O objectivo central deste trabalho é abordar sucintamente duas formas de intervenção na hiperactividade, a farmacológica e a terapia psicomotora, recorrendo-se para tal a uma revisão bibliográfica acerca do tema. O transtorno de déficit de atenção/hiperactividade (TDAH) é uma desordem muito comum nos dias de hoje e caracteriza-se por sintomas clinicamente significativos de desatenção, hiperactividade e impulsividade. São descritos três subtipos: predominantemente desatento, predominantemente hiperactivo e combinado. A prática psicomotora no seio de um grupo de crianças hiperactivas tem como objectivos fundamentais aumentar progressivamente o tempo de concentração e de atenção na tarefa, desenvolver as capacidades de autocontrolo de modo a diminuir a impulsividade, reduzir a hiperactividade atenuando os comportamentos incompatíveis, melhorar as habilidades sociais e promover a compreensão e a expressão da comunicação não-verbal. No que diz respeito ao tratamento farmacológico, o grupo de fármacos mais usado e estudado até ao momento são os estimulantes do sistema nervoso central como o metilfenidato, que actua por inibição da recaptação de dopamina e noradrenalina e a dextroanfetamina. Um fármaco mais recentemente descoberto, a atomoxetina, inibidor da recaptação da noradrenalina, tem também apontado efeitos positivos no controlo deste distúrbio. Outros fármacos não estimulantes como antidepressivos inibidores da recaptação da serotonina, a bupropiona e o modafinil parecem ter interesse em alguns tipos de hiperactividade. Conclui-se que as duas formas de intervenção poderão, em conjunto, trazer benefícios para estes indivíduos no que respeita ao controlo dos sintomas e consequente melhoria na sua qualidade de vida.
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/7496
ISBN: 978-989-8170-20-0
Versão do Editor: http://www.agir.pt/CISCS6.htm
Appears in Collections:DTDT - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Resumo Agir.pdf32,3 kBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


© Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia