Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior Agrária >
Ciência Animal >
CA - Artigos em Proceedings Não Indexados ao ISI >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/5229

Título: Determinação do peso maduro de caprinos da raça Serrana ecótipo tansmontano através de modelos de crescimento
Autor: Monteiro, A.
Carvalho, Alvaro
Silva, S.
Azevedo, Jorge
Teixeira, A.
Issue Date: 2009
Editora: Instituto Politécnico de Viseu
Citação: Monteiro, A.; Carvalho, A..; Silva, S.; Azevedo, Jorge; Teixeira, A. (2009) - Determinação do peso maduro de caprinos da raça Serrana ecótipo tansmontano através de modelos de crescimento. Millenium. ISSN 1647-662X. 13:37, p. 97-103
Relatório da Série N.º: 13;
Resumo: As curvas de crescimento reflectem as inter-relações entre um impulso individual inato para crescer e atingir a maturação de todas as partes do corpo e o ambiente no qual este impulso se expressa. Este ambiente é composto pelo nível individual de produtividade, a quantidade e qualidade de alimento ingerido e o esforço despendido para o localizar, consumir e digerir (Fitzhugh, 1976). As curvas de crescimento são modelos matemáticos que tentam descrever as alterações do peso corporal por unidade de tempo ou em relação à idade. No primeiro caso, obtêm-se valores que podem ser facilmente utilizados para comparar os efeitos dos tratamentos ou descrever a taxa de crescimento dos animais. No último caso, a relação do peso com a idade determina as curvas de crescimento que são usadas para descrever os padrões de crescimento dos animais ou tecidos (Trenkle, 1983). À medida que o animal cresce, dois factores interagem de forma oposta. Um é uma força aceleradora, devido ao aumento do número de unidades replicadoras, enquanto a outra força opositora é a limitação da grande complexidade das estruturas e a capacidade de fornecimento de nutrientes para manter o ritmo do crescimento do corpo (Lawrence e Fowler, 1997). A resultante destas duas forças origina a forma da curva de crescimento. As curvas do crescimento geralmente têm a forma de S ou sigmoidal, mostrando uniformidade entre as diferentes espécies animais, com excepção da do Homem, que apresenta uma fase juvenil muito longa (Brody, 1945).
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/5229
ISSN: 1647-662X
Versão do Editor: http://www.ipv.pt/millenium/Millenium37/default.htm
Appears in Collections:CA - Artigos em Proceedings Não Indexados ao ISI

Files in This Item:

File Description SizeFormat
millenium.pdf96,13 kBAdobe PDFView/Open

Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


  © Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE