Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior Agrária >
Ciência Animal >
CA - Artigos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/5229

Título: Determinação do peso maduro de caprinos da raça Serrana ecótipo tansmontano através de modelos de crescimento
Autor: Monteiro, A.
Carvalho, Alvaro
Silva, S.
Azevedo, Jorge
Teixeira, A.
Issue Date: 2009
Editora: Instituto Politécnico de Viseu
Citação: Monteiro, A.; Carvalho, A..; Silva, S.; Azevedo, Jorge; Teixeira, A. (2009) - Determinação do peso maduro de caprinos da raça Serrana ecótipo tansmontano através de modelos de crescimento. Millenium. ISSN 1647-662X. 13:37, p. 97-103
Relatório da Série N.º: 13;
Resumo: As curvas de crescimento reflectem as inter-relações entre um impulso individual inato para crescer e atingir a maturação de todas as partes do corpo e o ambiente no qual este impulso se expressa. Este ambiente é composto pelo nível individual de produtividade, a quantidade e qualidade de alimento ingerido e o esforço despendido para o localizar, consumir e digerir (Fitzhugh, 1976). As curvas de crescimento são modelos matemáticos que tentam descrever as alterações do peso corporal por unidade de tempo ou em relação à idade. No primeiro caso, obtêm-se valores que podem ser facilmente utilizados para comparar os efeitos dos tratamentos ou descrever a taxa de crescimento dos animais. No último caso, a relação do peso com a idade determina as curvas de crescimento que são usadas para descrever os padrões de crescimento dos animais ou tecidos (Trenkle, 1983). À medida que o animal cresce, dois factores interagem de forma oposta. Um é uma força aceleradora, devido ao aumento do número de unidades replicadoras, enquanto a outra força opositora é a limitação da grande complexidade das estruturas e a capacidade de fornecimento de nutrientes para manter o ritmo do crescimento do corpo (Lawrence e Fowler, 1997). A resultante destas duas forças origina a forma da curva de crescimento. As curvas do crescimento geralmente têm a forma de S ou sigmoidal, mostrando uniformidade entre as diferentes espécies animais, com excepção da do Homem, que apresenta uma fase juvenil muito longa (Brody, 1945).
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/5229
ISSN: 1647-662X
Versão do Editor: http://www.ipv.pt/millenium/Millenium37/default.htm
Appears in Collections:CA - Artigos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus

Files in This Item:

File Description SizeFormat
millenium.pdf96,13 kBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


© Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia