Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10198/9003
Título: Sirfídeos associados ao olival transmontano Importância da vegetação herbácea espontânea na sua vitalidade
Autor: Pinheiro, Lara A.
Torres, L.
Santos, Sónia A.P.
Data: 2013
Editora: Instituto Politécnico de Bragança
Citação: Pinheiro, Lara A.; Torres, L. M. Torres; Santos, Sónia A. P. (2013) - Sirfídeos associados ao olival transmontano Importância da vegetação herbácea espontânea na sua vitalidade. Bragança: Instituto Politécnico de Braganca. ISBN 978-972-745-156-2
Resumo: Os sirfídeos são insetos vulgarmente conhecidos por “moscas-das-flores” em virtude de, no estado adulto, serem frequentemente observados a pairar sobre flores. A nível mundial estão descritas nesta família mais de 6000 espécies (Bisby et al., 2012); na Europa existem atualmente 725 espécies válidas e 163 de carácter taxonomicamente incerto (Speight & Sarthou, 2011a) e em Portugal estão citadas 179 espécies (van Eck, 2011). A distribuição geográfica dos sirfídeos cobre todas as regiões biogeográficas do globo, com exceção da Antártida (Rojo et al., 2003). Este grupo de artrópodes habita, na sua maioria, em ecossistemas terrestres, incluindo zonas litorais, montanhas, desertos, áreas urbanas e agrícolas. No estado adulto têm hábitos diurnos e são muito ativos; algumas espécies são migratórias (Rojo et al., 2003). As larvas são sobretudo noctívagas (Hagen et al., 1999). A importância dos sirfídeos nos ecossistemas agrícolas está sobretudo associada ao facto das larvas de muitas espécies serem predadoras de pragas de várias culturas hortícolas, cereais e citrinos entre outras, enquanto os adultos são polinizadores (Tenhumberg & Poehling, 1995; Belliure & Michaud, 2001; Rojo et al., 2003; Bugg et al., 2008; Robinson, 2011). Os sirfídeos também são indicadores da qualidade do ecossistema (Sommaggio, 1999; Burgio & Sommaggio, 2007). A manutenção ou implementação de áreas com vegetação herbácea espontânea tem sido uma estratégia para promover o aumento da biodiversidade de sirfídeos no olival (Figura 1). Estas plantas fornecem alimento na forma de néctar, pólen e meladas e oferecem a possibilidade dos sirfídeos completarem o seu ciclo de vida no ecossistema agrícola potenciando, desta forma, a limitação natural por eles exercida sobre as populações de pragas da oliveira. Na presente publicação procede-se a uma breve caracterização da morfologia, biologia e comportamento dos sirfídeos e referem- se as espécies mais frequentemente encontradas no olival da Terra Quente Transmontana. Por outro lado, fornece-se informação considerada útil sobre o efeito de várias espécies de plantas herbáceas espontâneas na vitalidade destes auxiliares. Deste modo, será possível tomar decisões fundamentadas no sentido de conservar este grupo de insetos aquando da gestão da vegetação do olival.
Peer review: no
URI: http://hdl.handle.net/10198/9003
ISSN: 978-972-745-156-2
Aparece nas colecções:CIMO - Livros

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
2013 Sirfídeos Associados ao Olival Transmontano.pdf9,23 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.