Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10198/11946
Título: Modelação estatística da evolução da epidemia da gripe: aplicação de modelos de duração
Autor: Costa, Sónia Patrícia Correia
Orientador: Nunes, Alcina
Balsa, Carlos
Palavras-chave: Gripe
Epidemia
Modelação estatística de epidemias
Modelos de duração
Gripenet
Data de Defesa: 2015
Resumo: Uma epidemia de gripe, ao propagar-se rapidamente, afeta milhões de pessoas em todo o mundo colocando em risco a saúde humana. Assim, é importante conhecer a forma como poderá evoluir e os fatores que podem impulsionar a sua propagação, permitindo que a população, em geral, e as unidades de saúde, em particular, se possam acautelar e preparar. Neste sentido, este trabalho de investigação tem como objetivo acompanhar e analisar a evolução temporal de uma epidemia de gripe, em Portugal, identificando a probabilidade dos seus picos anuais e os fatores que fomentam a propagação do vírus. Para a prossecução do objetivo identificado foram aplicados modelos de duração não-paramétricos, que permitiram estimar os designados estimadores de Kaplan-Meier e Nelson-Aalen, a uma base de dados cross-section com informação anual relativa a um período consecutivo de oito anos (2005 a 2012). A base de dados foi fornecida pelo observatório Gripenet que monitoriza a evolução anual do fenómeno da gripe em Portugal, com o apoio de participantes voluntários. Os estimadores permitem calcular a probabilidade dos participantes contraírem gripe. Verifica-se que para a população participante, em termos medianos, o tempo decorrido para que 50% dos indivíduos contagiados fiquem nesse estado varia entre Dezembro e Janeiro de cada ano em análise. Quando se subdivide a amostra salienta-se que as mulheres têm uma probabilidade menor de contrair o vírus nos primeiros dias de análise, realizar as tarefas quotidianas em casa reduz o risco de contágio inicial mas este tem tendência a aumentar ao longo do tempo, deslocar-se a pé e utilizar transportes públicos apresenta um risco de contração do vírus que aumenta muito lentamente com o tempo, os fumadores apresentam uma probabilidade de contágio que aumenta mais rapidamente com o tempo e os que vivem sozinhos têm um risco inicial de contágio reduzido.
A flu epidemic spreads rapidly and affects millions of people around the world, putting human health at risk. Thus, it is important to know how it may evolve and the factors that can boost its spread, allowing that the population, in general, and the health units, in particular, take precautions and be prepared. In this sense, this research aims to monitor and to analyse the time evolution of a flu epidemic, in Portugal, identifying the likelihood of their annual peaks and the factors that promote the spread of the virus. For the attainment of the objective identified, they were applied non-parametric duration models to a cross-section database with annual information on a consecutive period of eight years (2005 to 2012), which allowed to estimate the so-called Kaplan-Meier and Nelson-Aalen estimators. The database has been provided by the Gripenet observatory, which monitors the annual evolution of the flu phenomenon in Portugal, with the support of volunteer participants. The estimators allow you to calculate the likelihood of participants contracting flu. We can see that for the participant population, in average terms, the elapsed time so that 50% of infected individuals stay in this state varies between December and January of each year under review. When the sample is subdivided it is noted that women have a lower probability of contracting the virus in the early days of the analysis; that to perform daily tasks at home reduces the risk of initial contagion, but this tends to increase over time; that move on foot and using public transport presents a risk of the contraction of the virus that increases very slowly over time; that smokers have a likelihood of infection that increases more rapidly as time goes by and that those who live alone have a reduced initial risk of infection.
Una epidemia de gripe, cuando se propaga rápidamente, afecta a millones de personas alrededor del mundo y pone en peligro la salud humana. Por lo tanto, es importante saber cómo podrá evolucionar y los factores que pueden aumentar su difusión, permitiendo que la población, en general, y las unidades de salud, en particular, se puedan prevenir y preparar. En este sentido, esta investigación tiene como objetivo seguir y evaluar el tiempo de evolución de una epidemia de gripe, en Portugal, identificando la probabilidad de sus picos anuales y los factores que fomentan la propagación del virus. Para la prosecución del objetivo identificado fueron aplicados modelos de duración no paramétricos, que permitieron estimar los designados estimadores de Kaplan-Meier y Nelson-Aalen, a una base de datos cross-section de información anual sobre un periodo consecutivo de ocho años (2005-2012). La base de datos ha sido facilitada por el observatorio Gripenet, el cual monitorea la evolución del fenómeno de la gripe anual en Portugal, con el apoyo de los participantes voluntarios. Los indicadores permiten calcular la probabilidad de contraer la gripe. Resulta que para la población participante, por término medio, el tiempo transcurrido para que el 50% de los individuos infectados se queden en este estado varía entre diciembre y enero de cada año en análisis. Cuando se divide la muestra podemos ver que las mujeres tienen una menor probabilidad de contraer el virus en los primeros días de análisis; que realizar las tareas diarias en el hogar reduce el riesgo de contagio inicial, pero esto tiende a aumentar con el tiempo; que moverse a pie y utilizar el transporte público presentan un riesgo de contracción del virus que aumenta lentamente con el tiempo; que los fumadores presentan una probabilidad de contagio que aumenta más rápidamente con el tiempo y que aquellos que viven solos tienen un riesgo inicial de infección reducido.
URI: http://hdl.handle.net/10198/11946
Designação: Mestrado em Gestão das Organizações, Ramo de Gestão de Unidades de Saúde
Aparece nas colecções:GO - Gestão das Organizações

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Sónia Patrícia Correia Costa.pdf1,16 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.