Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior Agrária >
Ciência Animal >
CA - Artigos em Revistas Não Indexados ao ISI/Scopus >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/870

Título: Crescimento e desenvolvimento testicular dos borregos da raça Churra Galega Bragançana
Autor: Valentim, Ramiro
Azevedo, Jorge
Teixeira, A.
Correia, Teresa Montenegro
Almeida, José Carlos
Issue Date: 1994
Editora: APEZ
Citação: Revista Portuguesa de Zootecnia. ISSN 0872-7090. 1 (1994) p. 95-107
Resumo: No presente trabalho procurou-se estudar o crescimento testicular dos borregos da raça Churra Galega Bragançana, durante o processo de estabelecimento da puberdade fisiológica. Considerou-se que os borregos tinham atingido a puberdade fisiológica, quando ejacularam os primeiros espermatozóides. Um grupo de 15 borregos desta raça, pertencentes ao rebanho experimental da Escola Superior Agrária de Bragança (ESAB), nascidos de parto simples, durante a Primavera, foram utilizados na elaboração deste estudo. Quando se iniciou o presente trabalho, as aderências penianas dos borregos da raça Churra Galega Bragançana, então com idades compreendidas entre os 109 e os 133 dias, já haviam desaparecido. Nos borregos em estudo, os primeiros espermatozóides surgiram no ejaculado, em média, 183 dias após o nascimento, altura em que estes apresentavam um peso médio de 33,8 kg, ou seja, cerca de 45% do seu peso adulto. Nesta altura, o perímetro escrotal médio dos borregos era de 24,0 cm, o comprimento testicular de 9,4 cm, o diâmetro testicular de 4,9 cm e o volume escrotal de 81,3 cm3. Ao longo de todo o estudo, o crescimento dos testículos processou-se sempre dum modo bastante simétrico. Depois do estabelecimento da puberdade fisiológica, o peso corporal dos borregos passou a estar mais correlacionado com a idade cronológica. Se durante o período pré-puberdade fisiológica, o perímetro escrotal variou mais em função da idade e o volume escrotal e o comprimento e o diâmetro testiculares variaram mais em função do peso, depois do aparecimento da puberdade fisiológica, ambas as medidas escrotais passaram a variar mais em função da idade, enquanto que o oposto ocorreu com as medidas testiculares.
URI: http://hdl.handle.net/10198/870
ISSN: 0872-7090
Appears in Collections:CA - Artigos em Revistas Não Indexados ao ISI/Scopus

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Crescimento testicular 1994.pdf3,25 MBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


© Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia