Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10198/7987
Título: Potencial antioxidante de espécies de cogumelos silvestres comestíveis dos géneros Amanita e Russula.
Autor: Leal, Ana Raquel
Barros, Lillian
Sousa, Maria João
Martins, Anabela
Ferreira, Isabel C.F.R.
Data: 2012
Citação: Leal, Ana Raquel; Barros, Lillian; Sousa, Maria João; Martins, Anabela; Ferreira, Isabel C.F.R. (2012) - Potencial antioxidante de espécies de cogumelos silvestres comestíveis dos géneros Amanita e Russula. In 11º Encontro Nacional de Química dos Alimentos. Bragança. ISBN 978-972-745-132-6
Resumo: A manutenção do equilíbrio entre a produção de espécies reativas de oxigénio (ROS) e azoto (RNS) e as defesas antioxidantes (enzimáticas e não-enzimáticas) é uma condição essencial para o funcionamento normal do organismo. A ausência desse equilíbrio traduz-se na condição de stresse oxidativo e, nestas situações, as espécies mencionadas podem oxidar e danificar lípidos celulares, proteínas e DNA, conduzindo a várias doenças [1]. Algumas matrizes naturais com atividade antioxidante, podem auxiliar as defesas antioxidantes endógenas e, nesta perspetiva, os antioxidantes presentes na dieta podem assumir importância como possíveis agentes protetores, reduzindo os danos oxidativos [2]. Neste trabalho, avaliou-se o potencial antioxidante de quatro espécies de cogumelos silvestres comestíveis pertencentes aos géneros Amanita e Russula, provenientes de Trás-os-Montes, Nordeste de Portugal: Amanita crocea, Amanita mairei, Russula aurea e Russula virescens. A atividade antioxidante foi determinada através de quatro métodos diferentes: poder redutor, efeito captador de radicais DPPH (1,1-difenil-2-picril-hidrazilo), inibição da descoloração do β-caroteno e inibição da peroxidação lipídica em homogeneizados cerebrais pelo ensaio TBARS (espécies reativas do ácido tiobarbitúrico). Foi ainda determinada a concentração de alguns antioxidantes nomeadamente fenóis pelo método de Folin-Ciocalteu e tocoferóis por HPLC-fluorescência. A. crocea apresentou maior teor fenólico (22.27 mg/g extrato), maior poder redutor (EC50=1.08 mg/mL) e maior capacidade captadora de DPPH (EC50=2.02 mg/mL). R. virescens, a segunda espécie com maior teor fenólico, demonstrou maior inibição da peroxidação lipídica, quer no ensaio da descoloração do β-caroteno (EC50=4.28 mg/mL), quer no ensaio TBARS (EC50=0.23 mg/mL). As espécies de Amanita revelaram maior concentração de tocoferóis (162 µg/100 g massa seca e 59 µg/100 g para A. crocea e A. mairei, respetivamente) do que as espécies Russula (< 50 µg/100 g). Todas as espécies apresentaram α- e γ-tocoferol, mas não apresentaram δ-tocoferol; β-tocoferol só foi detetado em R. virescens. Os resultados sugerem que, espécies de cogumelos silvestres do Nordeste de Portugal são uma potencial fonte de antioxidantes a explorar.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/7987
ISBN: 978-972-745-132-6
Aparece nas colecções:BB - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Poster Nac. 100.pdf846,86 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.