Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior Agrária >
Ambiente e Recursos Naturais >
ARN - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/7596

Título: Degradação física do solo em áreas queimadas de matos no nordeste transmontano
Autor: Queirós, Anabela
Figueiredo, Tomás de
Fonseca, Felícia
Palavras-chave: Matos
Montanha
Fogo controlado
Processo erosivo
Issue Date: 2012
Citação: Queirós, Anabela; Figueiredo, Tomás de; Fonseca, Felícia (2012) - Degradação física do solo em áreas queimadas de matos no nordeste transmontano. In V Congresso Ibérico da Ciência do Solo. Angra do Heroísmo
Resumo: O Parque natural de Montesinho (PNM) localiza-se no extremo nordeste de Portugal e apresenta uma área total de 75 mil ha, dos quais cerca de um terço estão cobertos por matos. Os solos do PNM são essencialmente incipientes, predominando as unidades Leptossolos dístricos órticos de xisto e Leptossolos úmbricos de xisto, correspondendo estes últimos à área onde decorreu o estudo. Desde sempre o fogo esteve associado à floresta, como fator de controlo da vegetação, produzindo impactos nas propriedades do solo. O presente estudo decorreu numa área de vegetação arbustiva do PNM com cerca de 5 ha, submetida a fogo controlado no âmbito do plano de gestão florestal e teve como principal objetivo avaliar os efeitos do fogo na degradação física do solo, mais especificamente no processo erosivo e na permeabilidade do solo. Na área em estudo a vegetação era constituída (antes do fogo controlado), essencialmente por urze (44%), esteva (26%) e carqueja (30%). Após fogo a carqueja e a urze arderam quase por completo, enquanto a esteva revelou grande resistência ao fogo, ficando pouco queimada. A permeabilidade foi analisada em 11 locais distribuídos aleatoriamente, sendo as medições realizadas em momentos distintos, antes, imediatamente após, dois e oito meses depois da ocorrência do fogo. Inicialmente a permeabilidade era rápida, passou a lenta imediatamente após o fogo, voltando a ser rápida ao fim de dois meses e moderada 8 meses depois do fogo. Para quantificar o escoamento e a perda de solo, foram instaladas 6 parcelas com 3 m2 cada. As colheitas decorreram entre Abril e Dezembro de 2011 resultando num escoamento de 13 mm ha-1 ano-1 e numa perda de solo de 5,2 t ha-1 ano-1, para um total de precipitação de 1541,4 mm. O valor de perda de solo registado é considerado elevado (consideravelmente superior à tolerância de perda de solo, para este tipo de solos), traduzindo-se numa elevada sensibilidade das áreas queimadas ao processo erosivo.
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/7596
Appears in Collections:ARN - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Anabela et al (CICS_2012).pdf170,96 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


  © Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE