Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior Agrária >
Biologia e Biotecnologia >
BB - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/7395

Title: Diversidade específica da flora pratense à escala do domínio climácico
Authors: Costa, J.C.
Aguiar, Carlos
Keywords: Flora pratense
Diversidade específica
Issue Date: 2008
Citation: Costa, J.C.; Aguiar, C. (2008) - Diversidade específica da flora pratense à escala do domínio climácico. In XXIX Reunião de Primavera da S.P.P.F. Samora Correia
Abstract: Em 2005 uma equipa alargada de fitossociólogos portugueses reuniu mais de 1000 inventários fitossociológicos publicados até a data e propôs-se clarificar a composição fitocenótica das séries de vegetação climatófilas e edafoxerófilas portuguesas e explorar a diversidade específica de plantas características das várias etapas sucessionais à escala do domínio climácico, i.e. da área ocupada por uma dada comunidade climácica (vd. Aguiar et al., Floristical and Phytocoenotucal Diversity at the Climactical Dominion, 48th IAVS Symposium, 2005). Com esse estudo, cujos resultados quedam por publicar, foram estabelecidos critérios objectivos que permitem segregar as comunidades seriais das comunidades próprias de microgeosigmeta e ficou provado o valor heurístico dos padrões espaciais da diversidade específica concretizados à escala do domínio climácico. No que à vegetação pratense diz respeito as principais conclusões retiradas por aqueles autores foram as seguintes: Em Portugal continental ocorrem 4 tipos de prados seriais: prados anuais, prados vivazes oligotróficos, prados vivazes mesotróficos, prados vivazes de solos incoerentes e prados anuais A continentalidade tem um efeito depressivo na diversidade específica da vegetação pratense Os prados anuais mostram um pico de diversidade específica de espécies características nas áreas mediterrânicas quentes (termomediterrânicas) e oceânicas Nas séries de vegetação mediterrânicas ocorrem dois máximos de diversidade específica nos extremos (em termos de complexidade estrutural) das séries de vegetação, i.e. nos bosques imaturos e nos prados anuais Nos territórios temperados a vegetação herbáceas vivaz mesotrófica é francamente mais diversa do que qualquer outra etapa sucessional Os endemismos são mais frequentes na vegetação herbácea vivaz do que nos prados anuais Os neófitos dominam a vegetação pratense Açoriana e Madeira e dificultam a sua interpretação sindinâmica Aparentemente, a flora pratense indígena é mais diversa nos Açores do que na Madeira
Peer Reviewed: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/7395
Appears in Collections:BB - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI

Files in This Item:

File Description SizeFormat
2008 XXIX SPPF Costa e Aguiar.pdf555.79 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


  © Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE