Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior de Saúde >
Departamento de Ciências da Vida e Saúde Pública >
CVSP - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/7216

Título: Factores genéticos e ambientais que afectam os níveis séricos de bilirrubina na população portuguesa
Autor: Rodrigues, Carina
Costa, Elísio
Santos, Rosário
Santos-Silva, Alice
Bronze-da-Rocha, Elsa
Palavras-chave: Bilirrubina
Fatores genéticos
Fatores ambientais
Issue Date: 2008
Editora: Sociedade Portuguesa de BioAnalistas da Saúde (SPBS)
Citação: Rodrigues, Carina; Costa, Elísio; Santos, Rosário; Santos-Silva, Alíce (2009) - Factores genéticos e ambientais que afectam os níveis séricos de bilirrubina na população portuguesa. In Congresso Análise Clínicas e Saúde Publica e Bioanálise. ISSN 1646-1266. V:2, p. 26-27
Resumo: A bilirrubina é um marcador bioquímico largamente utilizado no diagnóstico e monitorização das doenças hepáticas e doenças hematológicas. A bilirrubina é um produto tóxico que resulta sobretudo do metabolismo do grupo heme da hemoglobina libertada durante o processo de senescência dos eritrócitos mas pode, igualmente, ter outras origens tais como a eritropoiese ineficaz e o metabolismo de outras hemoproteínas. No fígado, a isoenzima UDP-glucoroniltransferase 1A1 (UGT1A1) catalisa a glucuronidação da bilirrubina, essencial para a sua excreção a nível biliar. A presença de uma duplicação de dois nucleotídeos (TA) na região TATAA do promotor do gene UGT1A1 resulta numa redução da actividade da enzima em cerca de 30%, por diminuição da eficiência de transcrição do gene. Esta alteração está muitas vezes associada a uma hiperbilirrubinémia não conjugada hereditária designada por Síndrome de Gilbert (SG). Embora a frequência do alelo com a duplicação (TA7) na população caucasiana seja elevada (38,7%), esta não explica na totalidade a presença desta síndrome. Há variações inter-individuais que parecem estar associadas ao sexo, idade, consumo de tabaco, uso de contraceptivos orais, exercício físico, stress, doenças intercorrentes e tempo de jejum nocturno. Mais recentemente, colocou-se a hipótese de que uma maior massa eritrocitária e respectivos índices hematimétricos poderiam explicar a presença de hiperbilirrubinémia. O objectivo deste trabalho foi avaliar o efeito dos polimorfismos genéticos no gene UGT1A1, o efeito de alguns factores ambientais e da massa eritrocitária nas variações da concentração da bilirrubina na população Portuguesa. Este estudo foi realizado num grupo controlo de 165 jovens adultos (19.5 ± 2.1 anos) ao qual foi aplicado um instrumento de recolha de dados que incluiu questões sobre hábitos tabágicos, terapêutica com contraceptivos orais, ingestão calórica, jejum nocturno e actividade física. Foram colhidas amostras de sangue para a realização de hemogramas, determinação dos níveis séricos de bilirrubina e extracção de DNA. Foi feita a avaliação dos níveis séricos de bilirrubina (método colorimétrico) e a detecção de polimorfismos no promotor do gene UGT1A1 (por PCR e pesquisa dos fragmentos num analisador automático). A genotipagem do gene UGT1A1 evidenciou que 15 indivíduos eram homozigóticos para o alelo com a duplicação (TA7/TA7), 79 heterozigóticos (TA6/TA7) e 71 homozigóticos para o alelo normal (TA6/TA6). A frequência do alelo TA7 obtida foi de 33%, um valor próximo do que está descrito para a população caucasiana. A análise da associação do polimorfismo com os níveis de bilirrubina demonstrou diferenças significativas entre os 3 genótipos (p=0.001). Foram igualmente observadas diferenças estatisticamente significativas de acordo com o sexo (p=0,09) e uma tendência de valores mais baixos de bilirrubina total, sem contudo alcançar significância estatística (p<0,05), em indivíduos fumadores e em mulheres que não tomam contraceptivos orais. Identificou-se uma correlação positiva entre a concentração sérica de bilirrubina total e o tempo de jejum nocturno, aquando da realização da colheita (p=0,01); a ingestão calórica (p=0,03); a hemoglobina (p=0,001); o volume globular (p=0,04); hemoglobina globular média (p=0,006). Verificou-se uma correlação negativa entre os níveis de bilirrubina total sérica e número de leucócitos (p=0,021) e plaquetas (p=0,001). Os resultados deste trabalho evidenciaram que a bilirrubina sérica na nossa população é condicionada pela presença do polimorfismo do UGT1A1 e verificou-se que um intervalo maior de jejum nocturno e uma maior massa eritrocitária, dentro dos valores considerados normais para a população em geral, estão associados a valores mais elevados de bilirrubina.
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/7216
ISSN: 1646-1266
Versão do Editor: http://www.spbs.pt/bioanalise.html
Appears in Collections:CVSP - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Bioanálise.pdf490,73 kBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


© Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia