Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior Agrária >
Produção e Tecnologia Vegetal >
PTV - Artigos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/7198

Título: Controlo de populações de microalgas por plantas: que relevância em agroecologia?
Autor: Barros, Sandra
Geraldes, Ana Maria
Fernandes, Conceição
Palavras-chave: Microalgas
Extractos vegetais
Actividade algicida/algistática
Issue Date: 2011
Editora: Instituto Politécnico de Bragança, Escola Superior Agrária
Citação: Barros, S.; Geraldes, Ana Maria; Fernandes, Conceição (2011) - Controlo de populações de microalgas por plantas: que relevância em Agroecologia? In Pereira, J.A.; Bento, Albino (Eds.) Workshop em Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável. Bragança. p. 231-241. ISBN: 978-972-745-116-6
Resumo: Muitos sistemas aquáticos apresentam desenvolvimento excessivo de fitoplâncton e algas filamentosas devido à eutrofização. Para mitigar os problemas ambientais e económicos resultantes, têm sido aplicados algicidas convencionais. Contudo, estes têm eficácia discutível, são tóxicos e persistentes no ambiente. Uma alternativa poderá ser a utilização de plantas e dos seus extractos como algicidas naturais. No presente trabalho foi investigado o potencial algicida/algistático de óleos essenciais e de decocções extraídos das seguintes plantas: alfazema (Lavandula sp), alecrim (Rosmarinus officinalis L.), loureiro (Laurus nobilis L), mendrasto (Mentha suavolens Ehrh.), freixo (Fraxinus angustifolia Vahl.), choupo (Populus sp.) e sabugueiro (Sambucus nigra L.). Para tal, culturas de Chlorella vulgaris Beijerinck (Chlorophyta) e Anabaena cylindrica Lemm (Cyanophyta) foram expostas a diferentes concentrações dos extractos mencionados. Os resultados obtidos sugerem que os óleos essenciais testados possuem propriedades algicidas e que apenas as decocções de alecrim e loureiro na concentração máxima testada terão efeito algistático nas culturas de Chlorella vulgaris e capacidade de diminuição da proliferação celular nas culturas de Anabaena cylindrica. A decocção de freixo também parece ter efeito algistático mas apenas na cultura de Anabaena cylindrica. No futuro, e num contexto de uma agricultura cada vez mais sustentável plantas, ou extractos, com propriedades algicidas/algistáticas poderão ser utilizados para controlar o excesso de algas em charcos e tanques das explorações agrícolas e em sistemas aquáticos adjacentes com menores impactos ambientais e económicos e com menos riscos para a saúde pública.
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/7198
ISBN: 978-972-745-116-6
Appears in Collections:PTV - Artigos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Conceição Fernandes.pdf1,05 MBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


© Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia