Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior de Educação >
Departamento de Educação Musical >
DEM - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/6955

Título: Che Cosa è? Uma experiência de trabalho de campo, com o grupo de Kola San Jon do Kova M, em Itália
Autor: Miguel, Ana Flávia
Palavras-chave: Música cabo-verdiana
Kola San Jon
Identidade
Diáspora
Issue Date: 2011
Editora: UNIRIO
Citação: Miguel, Ana Flavia (2011) - Che Cosa è? Uma experiência de trabalho de campo, com o grupo de Kola San Jon do Kova M, em Itália. In XVI Colóquio do Programa de Pós-Graduação em Música. Rio de Janeiro
Resumo: O Oceano Atlântico foi durante séculos palco de caminhos que, numa cadeia de ligação entre o continente africano, americano e europeu originou redes de relacionamento diferenciadas com significados evidentes ao nível da cultura. Cabo Verde é o exemplo de um país cuja dinâmica migratória se insere nesta teia de significados criados no vai e vem entre o país de origem e os espaços de acolhimento, de entre os quais Portugal assume um particular de protagonismo (Gois 2008). O antropólogo Rui Cidra (2008) refere que há contextos performativos centrais, entre os cabo-verdianos, que foram moldados pelo impacte das migrações. Um desses contextos define-se justamente pelo uso da música como forma de promoção pessoal na diáspora mas que apenas adquire sentido porque remete para o espaço de origem, Cabo Verde. O bairro do Alto da Cova da Moura “Kova M” é um bairro de acolhimento de imigrantes provenientes das ex-colónias portuguesas em África, situado no distrito de Lisboa (Portugal), no qual a prática performativa cabo-verdiana Kola San Jon tem lugar desde 1991. Em 2008, uma viagem do grupo de Kola San Jon do Kova M a Cabo Verde constituiu uma oportunidade de demonstrar é possível continuar a ser cabo-verdiano em Portugal (Miguel 2010). Na verdade, a música e a dança, desempenhada em contextos diaspóricos pelos migrantes cabo-verdianos, constituem “(…) práticas culturais centrais para as suas identidades e para a reconfiguração das suas memórias em contextos de separação e desestruturação ditados pela migração”(Cidra 2008:106). Nesta comunicação, a partir de uma experiência de trabalho de campo de perfil colaborativo realizada em Itália, pretendo mostrar como num terceiro país (que nem de origem nem de acolhimento) a identidade adquire mobilidade deixando de representar o país de origem para passar a representar o país de acolhimento.
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/6955
Appears in Collections:DEM - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Abstract UNIRIO0001.pdf1,17 MBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


© Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia