Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior de Saúde >
Departamento de Tecnologias de Diagnóstico Terapêutica >
DTDT - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/6898

Título: Perfil fenólico de um extracto de tomilho limão
Autor: Pereira, Olívia R.
Peres, António M.
Domingues, M.R.M.
Cardoso, Susana M.
Palavras-chave: Thymus citriodorus
Caracterização de compostos fenólicos
Quantificação
HPLC-UV
ESI-MSn
Issue Date: 2011
Editora: Sociedade Portuguesa de Química
Citação: Pereira, Olívia R.; Peres, António M.; Domingues, Maria R. M.; Cardoso, Susana M. (2011) - Perfil fenólico de um extracto de tomilho limão. Sociedade Portuguesa de Quimica. ISBN 978-989-8124-08-1, p. 60
Resumo: O tomilho limão é uma espécie do género Thymus cultivada na região mediterrânica e utilizada, desde há várias décadas, no tratamento de diversas afecções respiratórias e como agente antiséptico e antifúngico [1]. Este estudo pretende contribuir para um melhor conhecimento da espécie Thymus citriodorus, através da identificação e quantificação dos seus principais compostos fenólicos. O perfil fenólico do extracto etanólico de Thymus citriodorus foi obtido por análise de cromatografia líquida de alta resolução (HPLC/UV) e a estrutura dos compostos foi confirmada por análise de espectrometria de massa com ionização por electrospray (ESI-MSn) em modo negativo, de cada uma das fracções eluídas. A análise de HPLC/UV permitiu obter o cromatograma representado na Fig. 1, onde se indicam as principais fracções (B, D e E), e outras de intensidade moderada (A, C e F). A análise de ESI-MSn das fracções B e D revelou a existência de derivados glicosídicos das flavonas luteolina (MW 448 Da) e apigenina (MW 446 Da), respectivamente. Este último apresentou a fragmentação (m/z 445→269→225,183) na análise por ESI-MSn, pelo que foi identificado como apigenina-7-O-glucuronato. O ácido rosmarínico (MW 540 Da) foi identificado na fracção E, uma vez que o seu tempo de retenção, espectro UV-Vis e fragmentação eram coincidentes com o composto padrão. Ainda, de acordo com os seus perfis de fragmentação, as fracções A, C e F foram identificadas como eriodictiol-O-glucósido, crisoeriol-O-glucósido, e derivado do ácido cafeico, respectivamente. A quantificação destes compostos indica que apresentam as quantidades de 3.7±0.5, 5.8±0.5 e 2.3±0.9 μg/mg extracto, embora as flavonas luteolina-7-O-glucósido (12±2 μg/mg extracto), apigenina-7-O-glucuronato (9±2 μg/mg extracto) e o ácido rosmarínico (10.4±0.6 μg/mg extracto) apareçam como os compostos maioritários na planta.
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/6898
ISBN: 978-989-8124-08-1
Versão do Editor: www.spq.pt/eventos/xxiienspq/
Appears in Collections:DTDT - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus

Files in This Item:

File Description SizeFormat
SPQ 2011 Thymus.pdf651,15 kBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


© Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia