Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior Agrária >
Biologia e Biotecnologia >
BB - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/6463

Título: Bioactividade de frutos de espécies silvestres usados como anti-inflamatórios de uso tópico.
Autor: Marco, Rafael
Carvalho, Ana Maria
Ferreira, Isabel C.F.R.
Issue Date: 2011
Editora: Instituto Politécnico de Bragança, Escola Superior Agrária
Citação: Marco, Rafael; Carvalho, Ana Maria; Ferreira, Isabel C.F.R. (2011) - Bioactividade de frutos de espécies silvestres usados como anti-inflamatórios de uso tópico. In I Jornadas de Jovens Investigadores da Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Bragança: livro de resumos. ISBN 978‐972‐745‐122‐7
Resumo: A fricção da pele até obter calor ou rubefacção para alívio da dor e sintomas associados está profundamente enraizada na medicina popular. Desde tempos longínquos diferentes, partes de plantas, preparadas sob a forma de exsudado, óleo, extracto, tintura, ou outros, são aplicadas quando há sintomatologia de doenças que afectam articulações, músculos e esqueleto, como por exemplo o reumatismo. Várias espécies da flora da Península Ibérica foram/são usadas para este fim como se documenta em inventários etnobotânicos realizados em Portugal e Espanha. Com base nesses trabalhos, estudaram-se frutos de três espécies relevantes, Bryonia dioica Jacq. (norça), Lonicera periclymenum L. (madressilva) e Tamus communis L. (budanha), com o objectivo de caracterizar a sua composição fitoquímica nomeadamente, em compostos bioactivos com potenciais utilizações em aplicações farmacêuticas. A caracterização fitoquímica foi feita recorrendo a técnicas de cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC) acoplada a detectores de fluorescência ou de índice de refracção (RI), cromatografia gasosa acoplada a um detector de ionização de chama (GC-FID) e a técnicas espectrofotométricas. Quantificaram-se fenóis incluindo flavonóides, vitaminas (tocoferóis e ácido ascórbico), carotenóides (β-caroteno e licopeno), clorofilas, monossacáridos, oligossacáridos e ácidos gordos. As propriedades antioxidantes foram avaliadas por métodos bioquímicos (inibição da descoloração do β-caroteno na presença de radicais livres derivados do ácido linoleico e inibição da formação de espécies reactivas do ácido tiobarbitúrico (TBARS) em homogeneizados cerebrais) e métodos químicos (determinação do poder redutor e da actividade captadora de radicais 2,2- difenil-1-picril-hidrazilo (DPPH)).
URI: http://hdl.handle.net/10198/6463
ISBN: 978‐972‐745‐122‐7
Appears in Collections:BB - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Oral Nac. 19.pdf358,24 kBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


© Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia