Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/6436
Title: Níveis de prioridade atribuídos pelo sistema de triagem de Manchester no acidente vascular cerebral
Authors: Esteves, Isabel
Delgado, Sílvia
Preto, Leonel
Pinto, Cristina
Preto, Pedro
Keywords: AVC
Triagem
Issue Date: 2011
Publisher: Sociedade Portuguesa do AVC/ Centro Hospitalar do Nordeste EPE
Citation: Esteves, Isabel.; Delgado, Sílvia.; Preto. Leonel.; Pinto, Cristina & Preto, Pedro (2011). Níveis de prioridade atribuídos pelo sistema de triagem de Manchester no acidente vascular cerebral. In VII Encontro de Unidades de AVC. Macedo de Cavaleiros
Abstract: O método de triagem pelo protocolo de Manchester encontra-se cientificamente validado através de vários estudos direccionados à identificação de doentes em risco elevado (Zimmermann, 2001). O sistema de triagem de Manchester tem como objectivo facilitar a gestão clínica e reciprocamente a gestão de um serviço de urgência pela atribuição exacta de uma prioridade de atendimento. A prioridade não tem que estar relacionada obrigatoriamente com um diagnóstico, mas deve reflectir um conjunto de aspectos ou condições críticas apresentadas pelo paciente. É objectivo desta apresentação perceber os resultados do sistema de triagem nos pacientes com AVC, e analisar os tempos de espera à luz da urgência na realização de tratamento fibrinólitico, sempre que indicado, no utente com AVC isquémico. Estudo descritivo, transversal, com carácter retrospectivo. Analisámos as classificações das prioridades obtidas pelo sistema de triagem em todos os doentes com AVC que recorreram ao serviço de urgência da unidade hospitalar de Bragança do CHNE, durante o ano de 2010, com vista a perceber a sua fiabilidade no doente com AVC. O sistema classificou como “Pouco Urgentes/ Categoria 4/ Cor verde” apenas 14 dos 213 pacientes estudados, atribuindo-lhes um tempo máximo de espera para observação de 120 minutos. A classificação “Urgente/ Categoria 3/Cor amarela” foi a mais verificada em termos percentuais, tanto para o total da amostra em estudo (71,8%), como por tipo de AVC. Deste modo a cor amarela (a que correspondem a um tempo máximo de espera que pode chegar aos 60 minutos foi atribuída a 69% dos AVCs isquémicos e a 61% dos AVC hemorrágicos. Não encontrámos nenhum caso que tivesse sido classificado como muito urgente “Cor vermelha” durante o ano de 2011. A “Cor laranja/ Categoria 2/ Muito urgente”, cujos tempos de espera máximo vão até aos 10 minutos, foi dada a 23,3% dos doentes com AVC isquémico, a 36,1% dos hemorrágicos e a 7,4% dos AITs.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/6436
Publisher Version: http://www.chne.min-saude.pt/Noticias+e+Eventos/Agenda/?sm=0_0
Appears in Collections:CE - Posters em Encontros Científicos Nacionais



FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.