Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior Agrária >
Biologia e Biotecnologia >
BB - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/5750

Título: Estudo da comunidade macrofúngica associada a Quercus pyrenaica Willd. no Parque Natural de Montesinho
Autor: Branco, Sara
Baptista, Paula
Martins, Anabela
Rodrigues, Ana Paula
Palavras-chave: Quercus pyrenaica
Macrofungos
Diversidade
Lista vermelha
Issue Date: 2005
Citação: Branco S., Baptista P.; Martins A.; Rodrigues A. P. (2005) - Estudo da comunidade macrofúngica associada a Quercus pyrenaica Willd. no Parque Natural de Montesinho. In VII Congresso Luso-Galaico de Macromicologia. Macrofungos: Diversidade e Biotecnologia. Vila Real
Resumo: O Parque Natural de Montesinho (PNM), devido à sua diversidade geológica, climática e orográfica, caracteriza-se por possuir numerosas comunidades vegetais. De entre estas, destacam-se os bosques de carvalho negral (Quercus pyrenaica Willd.), que constitui uma das principais vegetações arbóreas autóctones, representada sob a forma de pequenas manchas, e correspondendo a 3% da totalidade da área do Parque. Devido à intervenção humana, essencialmente por acção fogo e dos cortes intensos para obtenção de madeira, grande parte dos carvalhais têm vindo a ser substituídos por outras espécies, através de rearborizações. Devido à diminuição das áreas de carvalhal, atribuiu-se a este habitate o estatuto prioritário em termos de conservação da natureza pela Carta de Valores Floristícos do PNM. Dado o enorme contributo dos bosques de carvalho negral na diversificação paisagística, é importante estudar a comunidade macrofúngica que ocorre neste habitate, por forma promover a biodiversidade apoiada em modelos de exploração sustentáveis e de longo prazo. Neste sentido, seleccionou-se um carvalhal situado próximo de Oleiros (Bragança) onde, no período de Outono- Inverno e Primavera de 2001, 2002 e 2004, se procedeu, semanalmente à colheita de macrofungos. Estes eram transportados ao laboratório, separados e identificados até à espécie ou ao género. Durante os três anos de amostragem, foram encontradas 162 espécies macrofúngicas, pertencentes a 54 géneros, sendo os mais representativos Cortinarius com 17 espécies, Tricholoma com 14 espécies, Russula e Mycena com 13 espécies cada, Inocybe com 9 espécies, Amanita com 7 espécies, Ramaria com 6 espécies e Boletus, Hebeloma, Lactarius e Marasmius com 5 espécies cada. Quanto aos grupos funcionais, os macrofungos micorrízicos perfizeram 59% do total das espécies encontradas sendo os restantes 41% saprófitas. Muitas das espécies recolhidas no carvalhal encontram-se citadas na Lista Vermelha de alguns países europeus, das quais cabe destacar Amanita caesarea, classificada como em vias de extinção ou espécie gravemente ameaçada. Discute-se a diversidade de macrofungos em povoamentos de carvalho negral, tendo em conta a relação trófica com o ecossistema e a relevância do seu papel ecológico.
URI: http://hdl.handle.net/10198/5750
Appears in Collections:BB - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus

Files in This Item:

File Description SizeFormat
c. naci 11.pdf604,53 kBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


© Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia