Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior Agrária >
Biologia e Biotecnologia >
BB - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/5746

Título: Comunidade macrofúngica associada a Castanea sativa Mill. no Nordeste Transmontano
Autor: Baptista, Paula
Martins, Anabela
Tavares, Rui Manuel
Lino-Neto, Teresa
Palavras-chave: Castanea sativa
Macrofungos
Diversidade
Abundância
Fenologia frutificação
Issue Date: 2005
Citação: Baptista, Paula; Martins, Anabela; Tavares, Rui Manuel; Lino-Neto, Teresa (2005) - Comunidade macrofúngica associada a Castanea sativa Mill. no Nordeste Transmontano. In VII Congresso Luso-Galaico de Macromicologia. Macrofungos: Diversidade e Biotecnologia. Vila Real
Resumo: No Nordeste Transmontano, a cultura do castanheiro, Castanea sativa Mill., tem uma grande importância, económica, social, cultural e paisagística. Esta espécie caracteriza-se por estabelecer associações simbióticas com fungos do solo, resultando na formação de ectomicorrizas que, na sua maioria, são produtoras de estruturas reprodutoras macroscópicas, os macrofungos. Com o presente trabalho pretendeu-se por um lado conhecer a flora micológica associada ao castanheiro no Nordeste Transmontano, e por outro analisar a sua ocorrência ao longo das diferentes estações do ano. A parte experimental do trabalho decorreu de Outubro de 2002 a Dezembro de 2004, num souto localizado na região de Bragança (UTM PG8937). Trata-se de uma parcela não mobilizada, onde foram marcados cinco talhões de 100m2. Com uma periodicidade semanal, nos períodos de Outono e Primavera, e quinzenal, nos restantes períodos, procedeu-se à colheita de todos os macrofungos que ocorreram nos talhões. Os exemplares recolhidos foram observados em laboratório e identificados até à espécie ou ao género, quer através da observação e registo das características macroscópicas e microscópicas, quer através de testes macro-microquímicos. No decurso do trabalho foram identificadas 87 espécies de macrofungos pertencentes a 23 géneros, sendo os géneros Russula spp. e Inocybe spp. os mais representados. Neste estudo, observou-se uma clara dominância de espécies micorrízicas representando 85% do total de espécies encontradas. O maior número de espécies, isto é 68 pertencentes a 20 géneros, ocorreu durante o primeiro ano de amostragem (Outono de 2002). Neste período, os géneros mais representativos foram Russula spp. e Inocybe spp., com 13 espécies cada, seguindo-se-lhes Amanita spp. e Lactarius spp., com seis cada, Tricholoma spp. com cinco, e Boletus spp. e Cortinarius spp. com quatro espécies cada. A época de frutificação descreve claramente uma curva gaussiana entre o final de Setembro e meados de Novembro, com o número máximo de espécies (36), recolhido na segunda quinzena de Outubro. Neste ano, observou-se uma clara dominância de espécies micorrízicas que perfizeram 91% do total encontrado. Em 2003 registou-se um menor número de espécies (50), que se distribuíram por 18 géneros, sendo os mais representados Russula spp., com 11 espécies, Inocybe spp., com nove, e Cortinarius spp. com cinco espécies. A frutificação Outonal ajusta-se a uma curva de Gauss, apresentado um número máximo de espécies (27) na primeira quinzena de Novembro. Na época de Primavera, apenas se registou a ocorrência de espécies macrofúngicas na primeira quinzena de Junho. Cerca de 84% do total das espécies colhidas neste ano eram micorrízicas. Em 2004, devido provavelmente às condições climáticas, foi encontrado um reduzido número de espécies macrofúngicas (18), distribuídas por 10 géneros, sendo os mais representados Russula spp., com cinco espécies, e Inocybe spp., com três. Contrariamente aos anos anteriores, a ocorrência de espécies no período outonal não se ajustou à curva normal, ocorrendo praticamente o mesmo número de espécies em todas as saídas efectuadas durante esta estação (em média 2 espécies). Na Primavera a frutificação deu-se essencialmente durante o mês de Junho. A distribuição das espécies pelos grupos funcionais revela uma dominância dos macrofungos micorrízicos, perfazendo 94% do total. Numa análise conjunta do período observado, verificou-se que os géneros Clitocybe spp., Entoloma spp. e Gyroporus spp. ocorreram apenas em 2002 e Calocybe spp. e Leotia spp. registaram-se somente em 2003. Pelo contrário, os géneros Boletus spp., Cantharellus spp., Cortinarius spp., Hebeloma spp., Inocybe spp., Lactarius spp., Russula spp. e Tricholoma spp. surgiram ao longo dos três anos de estudo.
URI: http://hdl.handle.net/10198/5746
Appears in Collections:BB - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI

Files in This Item:

File Description SizeFormat
c. naci 10.pdf668,59 kBAdobe PDFView/Open

Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


  © Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE