Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior de Educação >
Departamento de Ciências do Desporto e Educação Física >
DCDEF - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/4739

Título: Avaliação da actividade física
Autor: Camões, Miguel
Issue Date: 2010
Editora: Núcleo de Endocrinologia, Diabetes & Obesidade
Citação: Camões, Miguel (2010) - Avaliação da actividade física. In Endocrinologia, Diabetes e Obesidade. Porto
Relatório da Série N.º: 4;
Resumo: A Actividade Física (AF) tem um papel fundamental na prevenção e tratamento das doenças crónicas, nomeadamente da doença cardiovascular. A sua medição, de uma forma válida e precisa, é um grande desafio para o epidemiologista que olha para este comportamento modificável como determinante major de saúde. Uma vez que a AF é definida como sendo qualquer movimento corporal produzido pela contracção do músculo esquelético resultando num aumento do dispêndio energético, a avaliação e monitorização da AF em larga escala deve incluir o total energético dos diferentes tipos de actividade ao longo das 24h que compõem o dia-a-dia do indivíduo. Adicionalmente, outras dimensões da AF assumem grande relevância, como a intensidade e a frequência da exposição a este mesmo comportamento. Universalmente, não existe nenhum método de avaliação imaculado de desvantagensdesprovido de desvantagens. Sendo assim, existem métodos altamente objectivos e precisos na avaliação do dispêndio energético, como por exemplo, a água duplamente marcada e a calorimetria mas que assumem grande complexidade e custos elevadíssimos, sendo usados frequentemente como métodos gold-standard de validação em pequenas amostras. Outros métodos, como frequencimetros, acelerómetros e podómetros, disponibilizam medidas objectivas de predizer a AF e, consequentemente, o dispêndio calórico a ela associado, mas apresentam a dificuldade de estimar a AF habitual, implicando grandes custos quando aplicados na vigilância e monitorização populacional. Com um decréscimo significativo na validade e precisão de medição e com um aumento relevante na facilidade da avaliação, surgem os questionários de AF. Por questões práticas e económicas, a maior parte dos estudos epidemiológicos sustentam a avaliação da AF em questionários previamente validados e devidamente testados. Os questionários de AF estruturados, permitem avaliar as diferentes dimensões da AF que, por sua vez, não são possíveis de obter quando aplicados métodos mais objectivos e, têm o potencial de estimar, de uma forma igualmente válida, o dispêndio energético habitual das populações, permitindo a sua monitorização ao longo do tempo.
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/4739
Appears in Collections:DCDEF - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus

Files in This Item:

File Description SizeFormat
rev endo, diab e obesidade-dez2010 (1).pdf660,32 kBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


© Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia