Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior de Educação >
Departamento de Ciências do Desporto e Educação Física >
DCDEF - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/4739

Título: Avaliação da actividade física
Autor: Camões, Miguel
Issue Date: 2010
Editora: Núcleo de Endocrinologia, Diabetes & Obesidade
Citação: Camões, Miguel (2010) - Avaliação da actividade física. In Endocrinologia, Diabetes e Obesidade. Porto
Relatório da Série N.º: 4;
Resumo: A Actividade Física (AF) tem um papel fundamental na prevenção e tratamento das doenças crónicas, nomeadamente da doença cardiovascular. A sua medição, de uma forma válida e precisa, é um grande desafio para o epidemiologista que olha para este comportamento modificável como determinante major de saúde. Uma vez que a AF é definida como sendo qualquer movimento corporal produzido pela contracção do músculo esquelético resultando num aumento do dispêndio energético, a avaliação e monitorização da AF em larga escala deve incluir o total energético dos diferentes tipos de actividade ao longo das 24h que compõem o dia-a-dia do indivíduo. Adicionalmente, outras dimensões da AF assumem grande relevância, como a intensidade e a frequência da exposição a este mesmo comportamento. Universalmente, não existe nenhum método de avaliação imaculado de desvantagensdesprovido de desvantagens. Sendo assim, existem métodos altamente objectivos e precisos na avaliação do dispêndio energético, como por exemplo, a água duplamente marcada e a calorimetria mas que assumem grande complexidade e custos elevadíssimos, sendo usados frequentemente como métodos gold-standard de validação em pequenas amostras. Outros métodos, como frequencimetros, acelerómetros e podómetros, disponibilizam medidas objectivas de predizer a AF e, consequentemente, o dispêndio calórico a ela associado, mas apresentam a dificuldade de estimar a AF habitual, implicando grandes custos quando aplicados na vigilância e monitorização populacional. Com um decréscimo significativo na validade e precisão de medição e com um aumento relevante na facilidade da avaliação, surgem os questionários de AF. Por questões práticas e económicas, a maior parte dos estudos epidemiológicos sustentam a avaliação da AF em questionários previamente validados e devidamente testados. Os questionários de AF estruturados, permitem avaliar as diferentes dimensões da AF que, por sua vez, não são possíveis de obter quando aplicados métodos mais objectivos e, têm o potencial de estimar, de uma forma igualmente válida, o dispêndio energético habitual das populações, permitindo a sua monitorização ao longo do tempo.
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/4739
Appears in Collections:DCDEF - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus

Files in This Item:

File Description SizeFormat
rev endo, diab e obesidade-dez2010 (1).pdf660,32 kBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


© Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia