Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior Agrária >
Ambiente e Recursos Naturais >
ARN - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/4258

Título: Contributo da Silvicultura para o combate à desertificação: Valorização de espécies adaptadas
Autor: Patrício, Maria do Sameiro
Nunes, Luís
Palavras-chave: Silvicultura adaptativa
Combate desertificação
Issue Date: 2006
Citação: Patrício, Maria do Sameiro; Nunes, Luís (2006) - Contributo da Silvicultura para o combate à desertificação: Valorização de espécies adaptadas. In Comunicações do Fórum “Agricultura e Florestas. Mogadouro
Resumo: No quadro das mudanças climáticas previsíveis (Projecto SIAM II) espera-se uma redução na produtividade e no sequestro de carbono nas áreas sujeitas a períodos de secura. Por outro lado, prevê-se que os períodos de secura aumentem e que as chuvas se concentrem cada vez mais no período invernal. As variações climáticas previsíveis acarretam, naturalmente, mudanças quanto ao domínio de algumas espécies e nas áreas de distribuição dos diversos tipos de floresta bem como um aumento do risco de desertificação. Assim, no geral, verifica-se uma tendência de migração das espécies de Sul para Norte e do Interior para o Litoral. Estas variações climáticas terão também influência nos incêndios e ataque de pragas e doenças. Nesta perspectiva, a silvicultura a propor para as áreas susceptíveis à desertificação terá de ser uma silvicultura multifuncional, em que a principal preocupação seja a protecção do solo e dos recursos hídricos e, como complemento, uma oferta diversificada de valores de uso directo e/ ou indirecto que permita obter contrapartidas económicas, resultantes de uma gestão sustentável dos recursos, promovendo a fixação das populações uma vez que à desertificação está associado o despovoamento. Todavia, em floresta, o processo de produção lenhosa é relativamente longo, tornando-se, por isso, indispensável fazer uma selecção criteriosa das espécies a instalar tendo por base os cenários das alterações climáticas. Assim, deve-se optar, desde já, pela selecção e instalação de espécies resistentes à secura como a azinheira, o sobreiro, o pinheiro manso, os carvalhos negral e faginea e o zimbro. No combate à desertificação a principal preocupação, como já se referiu, deve ser a protecção do solo e dos recursos hídricos pelo que se deve privilegiar as espécies adaptadas e a mobilização mínima do solo. Deve-se assegurar uma melhoria produtiva dos povoamentos através de uma gestão sustentável, quer se trate de produtos lenhosos ou não lenhosos resultantes da multifuncionalidade do espaço florestal. Assim, torna-se fundamental diversificar as actividades nas explorações florestais e agro-florestais e potenciar a exploração de recursos associados como a cinegética, a apicultura, os cogumelos, a silvopastorícia, o artesanato, a valorização paisagística e eco-turismo, entre outros. Outro aspecto a ter em consideração é a utilização dos resíduos resultantes das limpezas da floresta para produção de bioenergia no quadro do aproveitamento das energias renováveis.
No quadro das mudanças climáticas previsíveis (Projecto SIAM II) espera-se uma redução na produtividade e no sequestro de carbono nas áreas sujeitas a períodos de secura. Por outro lado, prevê-se que os períodos de secura aumentem e que as chuvas se concentrem cada vez mais no período invernal. As variações climáticas previsíveis acarretam, naturalmente, mudanças quanto ao domínio de algumas espécies e nas áreas de distribuição dos diversos tipos de floresta bem como um aumento do risco de desertificação. Assim, no geral, verifica-se uma tendência de migração das espécies de Sul para Norte e do Interior para o Litoral. Estas variações climáticas terão também influência nos incêndios e ataque de pragas e doenças. Nesta perspectiva, a silvicultura a propor para as áreas susceptíveis à desertificação terá de ser uma silvicultura multifuncional, em que a principal preocupação seja a protecção do solo e dos recursos hídricos e, como complemento, uma oferta diversificada de valores de uso directo e/ ou indirecto que permita obter contrapartidas económicas, resultantes de uma gestão sustentável dos recursos, promovendo a fixação das populações uma vez que à desertificação está associado o despovoamento.
Arbitragem científica: no
URI: http://hdl.handle.net/10198/4258
Appears in Collections:ARN - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Abstact_contributo da silvicultura para o combate à desertificação.pdf523,92 kBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


© Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia