Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior Agrária >
Biologia e Biotecnologia >
BB - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/3740

Título: Compostos fenólicos e actividade antifúngica do mel de Trás-os-Montes
Autor: Pereira, Ana Paula
Dias, L.G.
Amaral, Eva
Pereira, Ermelinda
Estevinho, Leticia M.
Palavras-chave: Leveduras
Mel
Compostos fenólicos
Actividade antifúngica
Issue Date: 2007
Citação: Pereira, Ana Paula; Dias, Luís; Amaral, Eva; Pereira, Ermelinda; Estevinho, Letícia (2007) - Compostos fenólicos e actividade antifúngica do mel de Trás-os-Montes. In XV Jornadas de Biologia de Leveduras do Porto "Professor Nicolau Van Uden". Porto
Resumo: A utilização de antibióticos, desde os anos 50, têm vindo a generalizar-se conduzindo ao aumento progressivo de resistência dos microrganismos a estes fármacos. Para obviar esta situação, tem vindo a ser efectuados estudos científicos no sentido de desenvolver novos compostos para substituir total ou parcialmente a terapia antibiótica convencional. Nos nossos dias, o mel parece ser visto como uma alternativa à utilização destas substâncias evidenciando um espectro de acção bastante alargado quer em bactérias gram positivas quer em bactérias negativas, muitas das quais multiresistentes às drogas. No entanto, os estudos sobre a sua actividade antimicótica são escassos. Assim, neste trabalho procedemos à determinação de compostos fenólicos de dois tipos de mel (escuro e claro) de Trás-os-Montes por HPLC/DAD e à avaliação da sua actividade em leveduras patogénicas (Candida albicans, Cryptococcus neoformans, e Candida krusei). Como referência utilizou-se a levedura Sacharomyces cerivisae. Os estudos da actividade biológica efectuaram-se em meio líquido ao qual foram adicionados os compostos fenólicos na concentração desejada. Os principais compostos fenólicos identificados foram o ácido p-cumárico e naringenina. Estes compostos induziram uma inibição do crescimento de todas as leveduras testadas, à excepção de S. cerevisae. No entanto, o efeito exercido foi variável quer com a estirpe quer com o tipo de mel utilizado, sendo a inibição do crescimento mais acentuada na presença dos compostos fenólicos extraídos do mel escuro. C. krusei revelou-se muito sensível, mesmo para concentrações baixas (CI 50 - 0,90 mg/mL – mel escuro; IC50 – 1,7 mg/mL – mel claro). Estes resultados sugerem que os compostos fenólicos extraídos do mel podem ser utilizados como agente terapêutico no tratamento de infecções fúngicas
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/3740
Appears in Collections:BB - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Jornadas leveduras 2007.pdf693,73 kBAdobe PDFView/Open

Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


  © Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE