Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior Agrária >
Biologia e Biotecnologia >
BB - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/3740

Título: Compostos fenólicos e actividade antifúngica do mel de Trás-os-Montes
Autor: Pereira, Ana Paula
Dias, L.G.
Amaral, Eva
Pereira, Ermelinda
Estevinho, Leticia M.
Palavras-chave: Leveduras
Mel
Compostos fenólicos
Actividade antifúngica
Issue Date: 2007
Citação: Pereira, Ana Paula; Dias, Luís; Amaral, Eva; Pereira, Ermelinda; Estevinho, Letícia (2007) - Compostos fenólicos e actividade antifúngica do mel de Trás-os-Montes. In XV Jornadas de Biologia de Leveduras do Porto "Professor Nicolau Van Uden". Porto
Resumo: A utilização de antibióticos, desde os anos 50, têm vindo a generalizar-se conduzindo ao aumento progressivo de resistência dos microrganismos a estes fármacos. Para obviar esta situação, tem vindo a ser efectuados estudos científicos no sentido de desenvolver novos compostos para substituir total ou parcialmente a terapia antibiótica convencional. Nos nossos dias, o mel parece ser visto como uma alternativa à utilização destas substâncias evidenciando um espectro de acção bastante alargado quer em bactérias gram positivas quer em bactérias negativas, muitas das quais multiresistentes às drogas. No entanto, os estudos sobre a sua actividade antimicótica são escassos. Assim, neste trabalho procedemos à determinação de compostos fenólicos de dois tipos de mel (escuro e claro) de Trás-os-Montes por HPLC/DAD e à avaliação da sua actividade em leveduras patogénicas (Candida albicans, Cryptococcus neoformans, e Candida krusei). Como referência utilizou-se a levedura Sacharomyces cerivisae. Os estudos da actividade biológica efectuaram-se em meio líquido ao qual foram adicionados os compostos fenólicos na concentração desejada. Os principais compostos fenólicos identificados foram o ácido p-cumárico e naringenina. Estes compostos induziram uma inibição do crescimento de todas as leveduras testadas, à excepção de S. cerevisae. No entanto, o efeito exercido foi variável quer com a estirpe quer com o tipo de mel utilizado, sendo a inibição do crescimento mais acentuada na presença dos compostos fenólicos extraídos do mel escuro. C. krusei revelou-se muito sensível, mesmo para concentrações baixas (CI 50 - 0,90 mg/mL – mel escuro; IC50 – 1,7 mg/mL – mel claro). Estes resultados sugerem que os compostos fenólicos extraídos do mel podem ser utilizados como agente terapêutico no tratamento de infecções fúngicas
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/3740
Appears in Collections:BB - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI/Scopus

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Jornadas leveduras 2007.pdf693,73 kBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


© Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia