Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior de Saúde >
Departamento de Ciências da Vida e Saúde Pública >
CVSP - Posters em Encontros Científicos Nacionais >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/3506

Título: Perfil epidemiológico dos alunos do ensino superior relativamente ao consumo de psicofármacos
Autor: Correia, Teresa
Nunes, M.
Barros, Susana
Penas, Soraia
Issue Date: 2010
Editora: Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge
Citação: Correia, Teresa; Nunes, M; Barros, S; Penas, S (2010) – Perfil epidemiológico dos alunos do ensino superior relativamente ao consumo de psicofármacos. In II Congresso Nacional de Saúde Pública. Porto
Resumo: Introdução: O consumo de Psicofármacos tem vindo a aumentar. A doença mental tem sido subestimada assim como a sua prevenção e tratamento. O estudo realizado tem como objectivo identificar o consumo de psicofármacos, pelos alunos de um Instituto Politécnico do Norte e investigar os factores associados. Participantes e Métodos: Foram inquiridos 352 alunos das quatro escolas do Instituto Politécnico de Bragança. A recolha de dados foi realizada por alunas do curso de Farmácia no mês de Março de 2010 nas instalações das escolas. A informação foi recolhida através de um questionário auto-aplicado. Depois de inserida e codificada a informação, os dados foram analisados com recurso ao programa SPSS®. Resultados: Da população estudada, 75,8% consideram o seu estado de saúde bom/muito bom, 59,1% referem estar sob stress médio, a qualidade de sono foi considerada razoável pela maior dos estudantes (46,9%). Relativamente ao consumo de álcool, 31,5% dos estudantes afirmam não consumir e 2,8% consomem 7 ou mais vezes por semana. Cerca de 30% dos inquiridos assumem-se fumadores. Da população em análise 16,2% admitem ter uma doença, sendo que, 2,3% referem ter uma doença neurológica, ainda 8,5 % tomam medicamentos para a doença que dizem possuir. Os estudantes informaram um consumo de 11,9% de psicofármacos, notando-se a preferência pela valeriana (35,5%) e pelo alprazolam (22,4%). Verifica-se que 51,3% tomam psicofármacos por aconselhamento do médico de família, 30,2% foram aconselhados por médicos especialistas, os restantes foram aconselhados por familiares, amigos e outros profissionais de saúde. O consumo de psicofármacos está associado ao género, stress, álcool, diversas doenças e especificamente doença neurológica. Conclusões: O consumo de psicofármacos, entre os jovens, revela-se elevado. Os consumidores nem sempre têm a noção dos efeitos secundários destes medicamentos. Assim, é necessário melhorar a sua detecção contribuindo para a qualidade de vida das populações.
Arbitragem científica: no
URI: http://hdl.handle.net/10198/3506
Appears in Collections:CVSP - Posters em Encontros Científicos Nacionais

Files in This Item:

File Description SizeFormat
POSTER Perfil Epidemiológico dos Alunos do Ensino Superior Relativamente ao Consumo de Psicofármacos.pdf348,3 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


  © Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE