Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior de Educação >
Departamento de Português >
DPO - Teses de Doutoramento >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/3258

Título: Formação de substantivos deverbais sufixados em português
Autor: Rodrigues, Alexandra Soares
Orientador: Rio-Torto, Graça Maria de Oliveira e Silva
Palavras-chave: Morfologia
Formação de palavras
Issue Date: 2007
Citação: Rodrigues, Alexandra Soares (2007) - Formação de substantivos deverbais sufixados em português. Coimbra: Universidade de Coimbra. Tese de Doutoramento em Línguas e Literaturas Modernas (Linguística Portuguesa)
Resumo: O presente estudo visa descrever e explicar a formação lexical dos substantivos deverbais sufixados do português europeu. Sob uma perspectiva léxico-mental, baseada no programa “arquitectura paralela” de Jackendoff (2002) (cap. I, § 1.1), desenvolve-se um modelo genolexical designado por “RFPs em interfaces” (cap. II). Com este modelo, mantém-se a importância da base derivacional, seguindo perspectivas orientadas para o input (e.g. Corbin 1987; Rio-Torto 1993, 1998, 2004). Contudo, a base derivacional não é delimitada sintacticamente. Na nossa abordagem, cabe às estruturas semânticas da base a construção do novo lexema. A maior inovação do nosso modelo consiste na assunção de que a formação de palavras é simultaneamente orientada para o output, seguindo abordagens (Plag 1999, 2004) que reconhecem a identidade e a operacionalidade semânticas dos afixos. No nosso modelo, o mesmo afixo pode ser agregado a diferentes tipos de bases sem ter de ser multiplicado em afixos homónimos. Os produtos lexicais construídos a partir de diferentes bases partilham um determinado componente pelo qual é responsável a carga semântica do afixo. Simultaneamente, há diferenças entre os produtos de acordo com os componentes semânticos de cada tipo de base. O modelo “RFPs em Interfaces” é concebido como um domínio dinâmico onde existem regras de formação de palavras e afixos. As regras de formação de palavras são entendidas como subdomínios dinâmicos onde todas as operações concernentes às diferentes estruturas linguísticas são combinadas para formar itens lexicais. Estas operações são primariamente semânticas e morfológicas. Mas outros domínios podem aí intervir, como o pragmático e o processual. Para cada RFP são definidas operações. Isto significa que é possível manter a concepção da RFP de nomes de acção, se a operação entre a base derivante e o produto já não for definida como uma mera operação verbo > substantivo, mas como uma operação entre determinados componentes semânticos da base bem definidos e um conjunto de componentes semântico também bem definido que constitui o produto. Isto significa que cada RFP é construída a partir de muitas sub-regras. Os afixos são caracterizados como contendo componentes semânticos. Estes componentes são observáveis indirectamente através dos efeitos semânticos homogéneos em produtos de diferentes RFPs. Duas RFPs diferentes podem estar em interface pela acção de um afixo que opera em ambas. Tal ocorre se os componentes semânticos do afixo forem compatíveis com os componentes semânticos das bases particulares a que os afixos se agregam. Assim, existem pelo menos dois níveis diferentes de compatibilidade semântica. Um nível é o da RFP. Neste nível, a carga semântica do afixo tem de ser compatível com a operação semântica geral entre a base e o produto. O segundo nível é muito mais refinado. Este estabelece que o afixo tem de ser semanticamente compatível com os componentes semânticos da base. Isto explica que um afixo possa operar numa RFP, mas não possa, em princípio, ser agregado a todas as bases que constituem o input dessa regra. Por outro lado, o mesmo afixo pode operar em outras RFPs. Este tipo de comportamento é explicável se tomarmos uma abordagem generativa do léxico e da semântica na linha de Pustejovsky (1995). A estrutura semântica é um domínio complexo, formado por fiadas múltiplas (Jackendoff 2002). A importância da semântica no campo de formação de palavras levou-nos a compreender o contributo real de outros componentes na formação dos deverbais. Contra visões tradicionais, estabelecemos que a estrutura argumental não intervém na formação dos substantivos deverbais. Se alguns deverbais possuem estrutura argumental, esta é desenvolvida dentro do deverbal, como consequência da sua configuração semântica. A estrutura argumental não é herdada da base verbal. O mesmo ocorre em relação a deverbais que designam indivíduos. Nestes casos, não é um argumento da base verbal que é projectado para formar o semantismo do deverbal. O único material responsável pelos produtos localiza-se nos níveis semânticos. Estes postulados teóricos só poderiam ser alcançados através de uma alimentação contínua entre dados empíricos e problemas teóricos. Os dados empíricos provêm de 8414 substantivos sufixados deverbais e 8414 bases e dos 13708 semantismos desses produtos. A relação entre os produtos e as bases foi avaliada morfologicamente. No cap. III, analisamos a relação entre a estrutura morfológica das bases e a dos produtos de cada afixo. A avaliação do contributo dos componentes semânticos das bases é focada no cap. IV. Neste capítulo, explicamos quais os tipos de componentes semânticos é que deverão ser considerados para entendermos o seu contributo na formação dos diferentes semantismos de cada produto. O capítulo V desenvolve um aparelho formal baseado na abordagem generativa do léxico e da semântica. Tomando cada componente semântico oriundo das fontes possíveis (estrutura eventiva da base, estrutura léxico-conceptual da base, afixo e extra), que foram previamente definidas, este aparelho explica o modo como os componentes se combinam entre si para formar os semantismos dos produtos. Os mecanismos responsáveis pela operação de combinação são a “coindexação” (seguindo uma proposta de Lieber 2004) e a “projecção” (cap. II). Os capítulos VI e VII aplicam o modelo desenvolvido nos capítulos anteriores à análise dos deverbais de evento e de não-evento, respectivamente. Os dados encontram-se organizados em quatro anexos. Os anexos A e B contêm dados numéricos relativos aos semantismos distribuídos por produto (com orientação para o afixo) e por base léxico-semântica. Os anexos X e Y contêm a aplicação do aparelho formal para a compreensão da formação dos semantismos por afixo e por base léxico-semântica.
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/3258
Appears in Collections:DPO - Teses de Doutoramento

Files in This Item:

File Description SizeFormat
soares.rodrigues.pdf7,93 MBAdobe PDFView/Open
Restrict Access. You can request a copy!
soares.rodrigues resumo.pdf27,67 kBAdobe PDFView/Open

Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


  © Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE