Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior Agrária >
Produção e Tecnologia Vegetal >
PTV - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/3149

Título: Manutenção do solo sem mobilização em olivais de sequeiro
Autor: Rodrigues, M.A.
Cabanas, J.E.
Lopes, João
Pavão, Francisco
Arrobas, Margarida
Bento, Albino
Pereira, J.A.
Torres, L.
Issue Date: 2004
Editora: Sociedade Portuguesa da Ciência do Solo
Citação: Rodrigues, Manuel; Cabanas, José; Lopes, João; Pavão, Francisco; Arrobas, Margarida; Bento, Albino; Pereira, José; Torres, Laura (2004) - Manutenção do solo sem mobilização em olivais de sequeiro. In I Congresso Ibérico da Ciência do Solo. Bragança
Resumo: Neste trabalho são apresentados resultados de uma experiência de campo em que se ensaiam formas de manter a superfície do solo alternativas às mobilizações em olivais de sequeiro. O ensaio decorre em Lamas de Cavalo, concelho de Mirandela, desde Outubro de 2001. 0 solo é um Leptossolo Dístrico, derivado de xisto, com declive de 5 a 6 %. O olival tem 15 anos de idade e as árvores, da cultivar Cobrançosa, estão plantadas em compasso 6 x 6 m. Antes da instalação do ensaio o olival era mantido em mobilização tradicional. As modalidades em estudo foram: mobilização tradicional (MD; glifosato (Gil), como herbicida não selectivo em aplicação única em Abril; herbicida residual e de contacto (HR% em aplicação única em Fevereiro; e consociação aveia x ervilhaca (CAE), semeada no Outono e destruída com herbicida não selectivo em Abril. Em cada modalidade foram marcadas 12 árvores aparentemente idênticas, para assegurar homogeneidade de potencial produtivo. A colheita de Dezembro de 2001 (ano de referência) originou produções médias de 7 kg de azeitona por árvore, com valores semelhantes entre modalidades. Em 2002, a produção foi muito baixa em todas as modalidades. Contudo, o talhão mobilizado apresentou já o resultado médio mais baixo, se bem que as diferenças não tivessem tido significado estatístico (P>0.05). Em Dezembro de 2003, a modalidade CAE originou as produções mais elevadas (10,6 kg/árvore), seguida da modalidade Gli (8,8 kg/árvore). As modalidades HR e MT conduziram a produções significativamente inferiores (P<O,05) com 7,0 e 6,2 kg/árvore, respectivamente. Nestas últimas modalidades, foram ainda registados menores aumentos no perímetro dos troncos comparativamente com CAE e Gli. A determinação de algumas propriedades físicas do solo, como a densidade aparente e o teor de humidade a pF 2.7. dois anos após o inicio das experiências, originou resultados pouco consistentes e difíceis de relacionar ainda com o desempenho das árvores
Arbitragem científica: no
URI: http://hdl.handle.net/10198/3149
Appears in Collections:PTV - Resumos em Proceedings Não Indexados ao ISI

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Manutenção2.pdf46,15 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


  © Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE