Biblioteca Digital do Instituto Politécnico de Bragança   Instituto Politécnico de Bragança

Biblioteca Digital do IPB >
Escola Superior de Tecnologia e Gestão >
Economia e Gestão >
DEG - Artigos em Revistas Não Indexados ao ISI >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10198/1651

Título: A necessidade de um balanço complementar informativo ou de um balanço paralelo actualizado
Autor: Pires, Amélia M.M.
Ramos, Rafael C.
Palavras-chave: Balanço contabilístico
Balanço paralelo
Balanço ajustado
Valor actualizado
Issue Date: 2004
Editora: APOTEC
Citação: Jornal de Contabilidade da APOTEC. 28:324 (2004)
Resumo: As exigências decorrentes da chamada “nova economia”, designadamente no que se refere à informação produzida pelas organizações empresariais, levam-nos a questionar a necessidade de ajustar, de modo útil, aquele que é tido como o documento fundamental da informação financeira das entidades – o balanço –, e a sustentar a veracidade das decisões tomadas com base na relevância dos elementos que o compõem. Desde o início da segunda metade do século XX que têm sido cada vez mais importantes factores que influenciam o valor da empresa e não aparecem relevados na informação financeira relatada. A par disso não tem sido menos evidente o facto de muitos dos elementos do património se encontrarem valorizados não de acordo com a sua capacidade de realização mas no respeito estrito pela observância de um conjunto de normas que têm imposto bastante rigidez na estruturação e elaboração do balanço. Em Portugal, a lei comercial vertida, no essencial, no Código das Sociedades Comerciais (CSC) impõe que, em determinadas situações, haja a necessidade de validar os valores constantes dos balanços que vão servir de base a determinadas operações de transformação dos factos sociais das sociedades em causa, numa clara tentativa de com isso proteger os interesses dos agentes envolvidos, acometendo para tal essa tarefa aos Revisores Oficiais de Contas (ROC), que são acreditados pela Ordem dos Revisores Oficiais de Contas (OROC) que supostamente lhes confere a categoria de peritos em contabilidade e, por essa via, insuspeitos nas opiniões que formulam sobre o balanço utilizado nas operações supra referidas. O artigo que nos propomos desenvolver procura, no fundamental, percorrer o caminho da interpretação teórica sobre a necessidade de ajustamento dos balanços produzidos pela contabilidade com vista a uma utilização rigorosa e útil dos valores dos elementos que o integram. Nessa perspectiva iniciaremos a nossa abordagem pela identificação conceptual do balanço, enquadrando-o com o normativo contabilístico que determina a sua elaboração para a seguir procurarmos evidenciar a necessidade dos ajustamentos que se tornam necessários fazer para que o balanço dê de si e daquilo que representa uma imagem fiel e verdadeira da empresa ou entidade. Numa lógica sequencial abordaremos o conceito de pluralidade de balanços e da sua utilidade em relação a situações concretas. Com efeito, utilizaremos, na parte final, os dispositivos que emanam da lei comercial portuguesa e a partir dos quais somos levados a deduzir sobre a prescrição da necessidade de ajustar os valores do balanço para determinadas situações, que procuraremos tipificar pontualmente. Concluiremos o nosso artigo com as considerações que a nosso ver se manifestam oportunas para que a introdução do conceito da pluralidade de balanços e a extensão das situações previstas na lei comercial a outras eventualidades se tornem num contributo para a melhoria da qualidade e da utilidade da informação financeira.
URI: http://hdl.handle.net/10198/1651
Versão do Editor: 28(324)
Appears in Collections:DEG - Artigos em Revistas Não Indexados ao ISI

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Artigo APOTEC 2004.pdf251,83 kBAdobe PDFView/Open

Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


  © Instituto Politécnico de Bragança - Biblioteca Digital - Feedback - Statistics
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE