Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10198/15698
Título: Análise cromatográfica de iogurte funcionalizado com extrato etanólico de Agaricus bisporus
Autor: Francisco, Cristhian R.L.
Fernandes, Isabel P.M.
Barreira, João C.M.
Barros, Lillian
Gonçalves, Odinei Hess
Barreiro, Maria Filomena
Ferreira, Isabel C.F.R.
Data: 2017
Editora: Instituto Politécnico de Bragança
Citação: Francisco, Cristhian R.L.; Fernandes, Isabel P.M.; Barreira, João C.M.; Barros, Lillian; Gonçalves, Odinei Hess; Barreiro, M.F.; Ferreira, Isabel C.F.R. (2017) - Análise cromatográfica de iogurte funcionalizado com extrato etanólico de Agaricus bisporus. In 10º Encontro Nacional de Cromatografia. Bragança. ISBN 978-972-745-234-7
Resumo: Agaricus bisporus (Lange) Imbach é um cogumelo rico em compostos bioativos e os seus extratos podem ser utilizados na funcionalização de alimentos. A caracterização dos extratos e dos alimentos funcionalizados é de extrema importância, principalmente em relação ao teor em compostos bioativos (e.g., ergosterol) e à composição nutricional, respetivamente. Neste trabalho, foi obtido um extrato etanólico de A. bisporus utilizando a técnica de ultrassons para funcionalização de iogurte. O teor em ergosterol foi determinado por cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC-UV, Knauer Smartiline 1000) em coluna de fase reversa (Inertsil 100A ODS-3) e acetonitrilo/metanol (70:30, v/v) como fase móvel. O extrato apresentou uma concentração de 19,4 mg ergosterol/g extrato, tendo sido as bandas de absorção características identificadas por FTIR (caracterização estrutural). Posteriormente, o iogurte funcionalizado foi caracterizado em relação à sua composição nutricional e perfis cromatográficos de ácidos gordos e açúcares. O perfil de ácidos gordos foi determinado por cromatografia gasosa (equipamento DANI 1000, Contone) equipado com um detetor de ionização em chama (GC-FID) a 260°C, enquanto que os açúcares foram analisados por HPLC acoplado a um detetor de índice de refração, utilizando como acetonitrilo/água (70:30, v/v) como fase móvel [2]. Não foram observadas alterações significativas em relação ao valor nutricional dos iogurtes funcionalizados em comparação com o controlo (iogurte sem adição do extrato); apresentaram ácido mirístico (C14:0, 11.1±0.4%), ácido palmítico (C16:0, 31±1%), ácido esteárico (C18:0, 10.0±0.5 %) e ácido oleico (C18:1n9, 23±1 %) como ácidos gordos maioritários, e galactose (0.82±0.05 g/100 g) e lactose (4.6±0.2 g/100 g) como açúcares predominantes. No entanto, o extrato conferiu propriedades antioxidantes ao iogurte, demonstrando que a estratégia adotada é promissora para a obtenção de alimentos funcionais.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/15698
ISBN: 978-972-745-234-7
Aparece nas colecções:CIMO - Resumos em Proceedings Não Indexados ao WoS/Scopus

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Poster Nac. 296.pdf20,88 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.