Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10198/11518
Título: Consumo de antigripais: perspetiva dos profissionais de farmácia e dos utentes da cidade de Guimarães
Autor: Martins, A.
Luís, Â.
Ferreira, I.
Ribeiro, M.
Pereira, Olívia R.
Nascimento, Luís
Palavras-chave: Antigripais
Nível de consumo
Utente
Automedicação
Profissional de farmácia
Data: 2014
Editora: Associação Portuguesa de Licenciados em Farmácia
Citação: Martins, A.; Luís, Â.; Ferreira, I; Ribeiro, M.; Pereira, Olívia R.; Nascimento, Luís (2014) - Consumo de antigripais: perspetiva dos profissionais de farmácia e dos utentes da cidade de Guimarães. In IX Congresso Nacional da Associação Portuguesa de Licenciados em Farmácia. Bragança
Resumo: Os antigripais caraterizam-se por serem uma associação de várias substâncias ativas, podendo ser usadas para diversas situações. Assim, e por serem Medicamentos Não Sujeitos a Receita Médica, a sua aquisição torna-se rápida e acessível, levando ao consumo exagerado e inadequado de antigripais. Apesar deste tipo de medicamento ser considerado por muitos profissionais de saúde, uma forma de tratamento segura, não são isentos de substâncias inócuas, pelo que o seu consumo deve ser orientado por um profissional de saúde. Deste modo, torna-se fundamental avaliar quer as perspectivas dos utentes, quer as dos profissionais, de forma a determinar o consumo de antigripais. Avaliar o consumo de Antigripais, tendo em conta a perspectiva dos utentes e dos profissionais de Farmácia na cidade de Guimarães. Trata-se de um estudo transversal, observacional e analítico que teve como base duas amostras constituídas por 263 inquiridos da cidade de Guimarães e 50 profissionais de farmácia desta cidade. A recolha de dados ocorreu no período de Dezembro de 2013 a Fevereiro de 2014, através da aplicação de dois questionários relativos a cada uma das amostras. As informações obtidas foram analisadas com recurso ao programa SPSS 20 (Statistical Package for the Social Sciences). Os profissionais consideram que o Ilvico N® é o antigripal mais vendido nas farmácias, sendo a razão desta venda a publicidade transmitida pelos diferentes meios de comunicação. No entanto, quando um utente vai á farmácia pedir um antigripal específico, isso deve-se ao facto de ele já o ter utilizado (62%). Estes profissionais concordam que os antigripais sejam de venda livre. Uma vasta percentagem de utentes conhece e consome o Cêgripe®, Antigripine® e Ilvico N®, sendo este grupo de medicamentos mais consumido no Outono/Inverno. Dentro da amostra em estudo, 234 inquiridos afirmam reconhecer os sintomas da gripe indicando maioritariamente a febre, dores articulares e musculares e mal-estar. As principais reações adversas referenciadas pelos inquiridos são sonolência, boca seca, distúrbios gastrointestinais e tonturas. Conclui-se que a maioria dos utentes da cidade de Guimarães consome antigripais, recorrendo à automedicação uma vez que estes fármacos são Medicamentos Não Sujeitos a Receita Médica. Na perspetiva dos profissionais de farmácia a publicidade surge como o fator principal para aquisição de um antigripal, contudo, segundo a perspetiva dos utentes, estes assumem dar maior relevância à sua opinião e ao aconselhamento do profissional de farmácia.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/11518
Aparece nas colecções:CIMO - Posters em Encontros Científicos Nacionais

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
POSTER FINAL - PDF.pdf1,22 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.