Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10198/11012
Título: Bioecologia dos mexilhões de água doce (Unionidae) nos rios Sabor, Tua e Tâmega (Bacia do Douro, Portugal): principais ameaças e medidas de conservação
Autor: Teixeira, Amílcar
Varandas, Simone
Sousa, Ronaldo
Froufe, Elsa
Lopes-Lima, Manuel
Palavras-chave: Náiades
Habitat
Qualidade da água
Peixes hospedeiros
Data: 2013
Editora: Sociedade Portuguesa de Ciências Florestais
Citação: Teixeira, Amílcar; Varandas, Simone; Sousa, Ronaldo; Froufe, Elsa; Lopes-Lima, Manuel (2013) - Bioecologia dos mexilhões de água doce (Unionidae) nos rios Sabor, Tua e Tâmega (Bacia do Douro, Portugal): principais ameaças e medidas de conservação. In 7º Congresso Florestal Nacional. Bragança: Sociedade Portuguesa de Ciências Florestais. p. 509-520. ISBN 978-972-99656-2-3
Resumo: Foram avaliadas as condições ambientais das populações de náiades (Mollusca, Bivalvia, Unionidae) em diferentes troços dos rios Tâmega, Tua e Sabor, na proximidade de grandes empreendimentos hidroelétricos em fase de construção. No verão dos anos 2010, 2011 e 2012 foi caracterizado o habitat e microhabitat disponível e usado pelas espécies Unio delphinus, Anodonta anatina e Potomida littoralis. Recorreu-se à metodologia do River Habitat Survey (RHS) para a avaliação do habitat aquático e ribeirinho. Para avaliação do microhabitat, foram realizados transectos paralelos (próximo das margens) e perpendiculares ao fluxo de água. Em cada microhabitat amostrado (0,25 m2) procedeu-se à medição das variáveis profundidade, substrato dominante, velocidade no leito e coluna de água, cobertura e distância à margem. Os unionídeos demonstraram uma distribuição espacial agregada em zonas específicas, tendo-se detetado densidades superiores na proximidade das margens e especialmente em braços laterais dos rios com fluxo permanente de água. Foram construídas curvas de preferência para cada espécie. Assim, Unio delphinus e Anodonta anatina colonizam preferencialmente pools com substrato fino, com núcleos populacionais situados entre raízes submersas, próximo de margens escavadas. Por sua vez, a espécie Potomida littoralis apresenta densidades superiores em zonas de maior corrente (riffles) e substrato mais grosseiro (seixos e pedras). Foram ainda realizadas experiências laboratoriais para determinação da íctiofauna hospedeira das 3 espécies de unionídeos, do qual se realça a afinidade quase exclusiva destas náiades com a fauna piscícola autóctone (nomeadamente com ciprinídeos endémicos e salmonídeos). Face às ameaças detetadas, caso da poluição, sedimentação e especialmente da regularização que conduzirá a uma redução do habitat disponível e da íctiofauna nativa nos rios Sabor, Tua e Tâmega, é fundamental a conservação de habitats e ecossistemas prioritários e a requalificação ambiental de troços degradados de modo a preservar as espécies de invertebrados e vertebrados autóctones fortemente ameaçadas
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10198/11012
ISBN: 978-972-99656-2-3
Aparece nas colecções:CIMO - Artigos em Proceedings Não Indexados à WoS/Scopus

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
7CFN_Bioecologia dos mexilhões.pdf4,63 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.